O Expresso noticiou que Manuel Coelho da Silva, ex-presidente do Conselho de Opinião da RTP e que concorreu à administração, colocou uma providência cautelar para travar a posse da equipa liderada pelo jornalista Nicolau Santos, presidente cessante da Lusa.

“Atentos os motivos invocados pelo requerente, proceda, nos termos solicitados, à citação urgente da entidade requerida [RTP] e contrainteressados enunciados [Nicolau Santos e Hugo Graça Figueiredo] para, querendo, deduzirem oposição, no prazo de 10 dias”, lê-se no despacho, datado de 29 de abril.

“Mais advirta a entidade requerida para os efeitos do disposto nos n.ºs 1 e 2 do artigo 128.º” do Código de Processo nos Tribunais Administrativos (CPTA), refere o documento.

O artigo 128.º respeita à proibição de executar o ato administrativo.

De acordo com fontes ligadas ao processo, o que está em causa é a ausência de definição de critérios e sua ponderação na análise da escolha dos membros da administração.

No dia 26 de março, o Conselho Geral Independente (CGI) anunciou que Nicolau Santos e o administrador da RTP Hugo Figueiredo eram os nomes escolhidos para a integrar o novo Conselho de Administração da RTP.

Um mês depois, o órgão indigitou a nova administração, que tem Ana dos Santos Dias como terceiro elemento e com o pelouro financeiro, depois de parecer prévio vinculativo da tutela.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.