Mogherini assinalou que entre as vítimas estão mulheres e crianças, além de jornalistas, pelo que considerou que aquele “ato de violência é também claramente um ataque contra a liberdade de expressão e a democracia no Afeganistão”, segundo um comunicado.

No edifício alvo do atentado funcionava um centro cultural da minoria xiita, uma mesquita, uma escola de estudos islâmicos e os escritórios de uma agência de notícias.

“A União Europeia continuará a apoiar as autoridades e o povo afegão na luta contra o terrorismo e nos seus esforços para construir um futuro pacífico e próspero para todos os cidadãos do Afeganistão”, disse Mogherini, que expressou em nome da UE “profundas condolências” às famílias enlutadas e desejou uma pronta recuperação aos feridos.

A capital afegã tem sido alvo este ano de graves atentados.

No final de maio, Cabul registou o pior atentado no país desde 2001, quando um camião carregado de explosivos causou 150 mortos e mais de 300 feridos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.