"Para realizar este tipo de burla, os suspeitos publicam anúncios de arrendamento de casas a preços apelativos, em páginas da internet ou nas redes sociais, podendo algumas dessas publicações serem acompanhadas por fotografias de imóveis reais, apesar da situação de arrendamento ser falsa", pode ler-se numa publicação no Facebook do Comando Territorial de Lisboa.

Quanto ao procedimento utilizado, a GNR informa que "os suspeitos pedem à vítima que transfira um determinado valor monetário (“sinal”) para uma conta bancária, fornecendo à vítima um Número de Identificação Bancária (NIB)".

Com este método, "a vítima só percebe que foi burlada, muitas vezes meses depois, quando tenta efetuar um contacto para o número de telefone do suspeito, verificando que o número deixou de estar ativo, quando pretende recolher a chave da habitação ou mesmo quando chega à morada que lhe foi fornecida, verificando que esta não existe".

Desta forma, as autoridades deixam alguns conselhos para evitar este tipo de burla, entre eles: desconfiar "de anúncios nas redes sociais ou sites que não são conhecidos", bem como daqueles que apresentam "preços abaixo do valor de mercado".

Por sua vez, deve-se fazer "sempre uma pesquisa em vários sites", uma vez que "muitas vezes existem vários anúncios da mesma casa com vários preços". De seguida, devem ser solicitados "elementos sobre a casa ao senhorio, por exemplo a certidão do registo predial", a par com a pesquisa na internet de "testemunhos relacionados com a casa que pretende arrendar", já que podem existir "indícios de burlas anteriores que envolvam o imóvel em questão".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.