A maior parte das vítimas, entre elas três meninos, morreu fuzilada ou decapitada pelos jihadistas que controlaram a cidade durante dez meses. Os restos dos soldados e milicianos leais ao regime foram levados para o hospital militar de Homs e alguns já foram identificados. A 27 de março, o exército sírio, apoiado por milicianos pró-regime e pela aviação russa, expulsou os jihadistas de Palmira, província de Homs (centro), conhecida como a pérola do deserto pelos seus tesouros arqueológicos, que foram destruídos em parte.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.