As vendas de veículos utilitários desportivos, ‘minivans’ e ‘sedans’ no maior mercado automóvel do mundo caíram 20,2%, em relação ao mesmo mês no ano anterior, para 1,6 milhão de unidades, segundo a Associação Chinesa de Fabricantes de Automóveis.

“As empresas estão sob enorme pressão”, admitiu a Associação em comunicado.

A indústria sofreu, assim, o impacto da decisão de Pequim de prolongar o feriado do Ano Novo Lunar, que este ano calhou em 24 de janeiro, visando evitar a propagação do vírus, designado Covid-19, e que ditou o encerramento de fábricas e concessionárias.

Em 2019, as vendas de automóveis caíram pelo segundo ano consecutivo na China, à medida que a guerra comercial com Washington e a desaceleração da economia chinesa afetaram a confiança do consumidor.

“No curto prazo, a produção e as vendas de automóveis serão muito afetadas”, previu a associação.

“O sistema de fornecimento de componentes será também interrompido”, advertiu ainda.

A queda nas vendas é um golpe para as fabricantes globais, cujo aumento das receitas depende do mercado chinês, face a crescimentos anémicos nos Estados Unidos e na Europa.

A China concentra 27% da produção mundial de automóveis, face a 7% em 2003, quando enfrentou um surto de pneumonia atípica. O encerramento de fábricas no país constitui assim um entrave na cadeia de produção global de componentes automóveis.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.