O governo de Iván Duque reconhece "o presidente Juan Guaidó, a quem agradece o convite que faz aos funcionários diplomáticos e consulares colombianos para permanecerem em território venezuelano", afirmou o ministro das Relações Exteriores, Carlos Holmes Trujillo.

Maduro anunciou a sua decisão de "romper todas as relações políticas e diplomáticas com o governo fascista da Colômbia", ordenando que "todos os seus embaixadores e cônsules devem partir em 24 horas da Venezuela", perante uma grande manifestação em Caracas.

Sobre esta questão  em particular, Holmes Trujillo disse que vai providenciar o retorno das autoridades colombianas "a fim de preservar" a sua vida e integridade.

"A Colômbia culpa o usurpador Maduro por qualquer agressão ou desconhecimento dos direitos que as autoridades colombianas têm na Venezuela", acrescentou.

Maduro disse ainda que "nunca um governo colombiano caiu tão baixo" e, referindo-se a Guaidó, afirmou que o país está à espera do "senhor fantoche palhaço, fantoche do imperialismo americano e mendigo".

Segundo Nicolás Maduro, a pretexto da ajuda humanitária que a oposição do seu país pretende fazer entrar no país está em curso um golpe promovido pela direita da Venezuela com o apoio internacional, mas que foi derrotado pela "união cívil-militar" nacional.

"Estou a avaliar o que fazer com a nossa fronteira, porque não vamos tolerar isso (mobilização de pessoas e entrada de ajuda humanitária). Vocês sabem que não temo nada. Não me treme o pulso", garantiu.

A vice-presidente Marta Lucía Ramírez da Colômbia acrescentou que "Maduro não pode romper relações diplomáticas que a Colômbia não tem com ele" em sua conta no Twitter.

A rutura de relações tem lugar depois de o ministro de Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, ter acusado os EUA e a Colômbia de violarem a Carta das Nações Unidas.

“Os Governos dos EUA e da Colômbia violaram praticamente todos os princípios e propósitos da carta da ONU. A comunidade mundial está a vê-los e não sei se a ONU vai tomar as ações correspondentes”, escreveu o governante na sua conta da rede social Twitter.

Bogotá praticamente não tem relações com o governo de Maduro desde meados de 2017.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.