“A CIDH insta as instituições nacionais do Estado da Venezuela a protegerem os direitos à vida e à integridade pessoal de Juan Guaidó, de acordo com a medida cautelar outorgada pela CIDH em 25 de janeiro, 2019″, explica um comunicado daquele organismo.

O comunicado aponta que a CIDH tomou conhecimento de que teriam surgido recentemente “ameaças de morte contra Juan Guaidó, beneficiário de medidas cautelares outorgadas pela CIDH”.

“Estas ameaças teriam sido feitas através de telefonemas a familiares, e teriam sido precedidas por outros eventos de risco que foram conhecidos pela Comissão. Estes eventos incluem visitas de alegados funcionários de uma unidade especial da Polícia Bolivariana à sua casa, assim como a detenção temporária a que foi submetido (…) a 13 de Janeiro, 2019, que foi classificada pelas autoridades como irregular”, explica.

Segundo a CIDH, como observado na Resolução 1/2019, “Juan Guaidó é atualmente a figura mais visível da oposição num contexto de grande instabilidade política e profunda agitação social, que tem levado à mobilização de milhares nas ruas de Venezuela, onde ocorreram atos de violência”.

Por isso, a CIDH “considerou que as provas descritas “demonstram um contexto excecional de alta tensão, onde haveria setores politicamente divididos sobre as atuações que têm sido realizadas com relação à situação de Juan Guaidó”.

“Dado o perfil que tem Juan Guaidó no presente momento, e o reconhecimento de vários países, como presidente encarregado da Venezuela, a CIDH considera que enfrenta uma maior situação de vulnerabilidade ou risco e ser um alvo possível de ataques”, afirma.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.