A decisão, segundo a imprensa venezuelana, foi anunciada pelo vice-almirante Vladimir Quintero Martínez, chefe da Zona Operacional de Defesa Integral em Falcón, no noroeste da Venezuela.

O encerramento tem lugar depois de ter sido divulgada a existência de um centro de acolhimento de ajuda humanitária internacional, na ilha de Curaçau, que aguarda autorização para entrar na Venezuela, mas que o Governo venezuelano rejeita.

"De maneira simultânea, a decisão paralisou os voos e as partidas (de barcos) para as ilhas de Curaçau, Aruba e Bonaire, situadas em frente das costas do Estado venezuelano de Falcón, a noroeste do país", explica o portal NotiFalcón, citando o vice-almirante.

Curaçau, a ilha holandesa mais próxima, está situada a 40 milhas náuticas (65 quilómetros) da zona costeira de Falcón.

O encerramento das fronteiras acontece a apenas quatro dias do 23 de fevereiro, data limite imposta pelo autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, para a entrada de ajuda humanitária internacional, que se encontra em Curaçau, Cúcuta (Colômbia) e no Brasil.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.