Mario Ferri entrou no relvado à passagem dos 61 minutos, transportando uma bandeira do arco-íris — símbolo que tem sido vetado nos estádios -, enquanto a sua camisola tinha escrito ‘Save Ukraine’ [salvem a Ucrânia] e ‘Respect for Iranian Women’ [Respeito para as mulheres iranianas].

O adepto italiano, de 35 anos, que tem um historial de invasão de relvados e que no Mundial2014 no Brasil também entrou no Bélgica-Estados Unidos com a mensagem ‘Salvem os filhos da favela’, foi libertado, mas proibido de entrar nos estádios no Qatar.

Em comunicado, o comité organizador do Mundial2022 informou também hoje que Mario Ferri “foi libertado pouco depois de ser retirado do relvado”, que a embaixada foi informada, mas que está vetado em qualquer jogo do Mundial.

“Em consequência das suas ações e da prática habitual, a sua entrada foi cancelada e foi banido de futuros jogos neste torneio”, disse a organização em comunicado.

Já hoje, em mensagem publicada na sua conta no Instagram, o italiano designou a invasão de segunda-feira como a “última dança”, explicando que quis tocar assuntos importantes que têm estado na ordem do dia também para ele.

Ferri disse que em relação ao Irão, onde diz ter amigos e que as mulheres não são respeitadas, o mundo tem que mudar e que isso acontece com gestos fortes, enquanto, no que diz respeito à Ucrânia, revelou que trabalhou como voluntário em Kiev, onde viu o sofrimento do povo local, fazendo mais um apelo à paz.

Quanto à bandeira do arco-íris, o italiano lembrou que a FIFA a baniu , bem como os símbolos neste Mundial, mas que ele, num papel de ‘Robin dos Bosques’, quis passar a mensagem de que se pretende um mundo livre que respeite todas as raças e ideias.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.