No seu 80.º encontro ao comando da formação das ‘quinas’, o técnico campeão da Europa de 2016 e vencedor da Liga das Nações de 2019, nascido na Amadora há 66 anos, adicionou mais um número ‘redondo’ ao seu historial, graças a um autogolo de Medvedev.

Fernando Santos já era o treinador com mais jogos e vitórias ao comando da formação das ‘quinas’, depois de ter ultrapassado o brasileiro Luiz Felipe Scolari, que somou 42 triunfos em 74 encontros, entre 12 de fevereiro de 2003 e 19 de junho de 2008.

O atual técnico luso também lidera no que respeita a troféus, sendo o único que os conseguiu, se bem que ‘Felipão’ tenha igualmente um currículo de respeito, com a presença na final do Europeu de 2004 e das meias-finais do Mundial de 2006.

No que respeita apenas a jogos oficiais, o ex-treinador de Benfica, FC Porto e Sporting também é líder destacado de vários ‘rankings’, tendo somado hoje o 37.º triunfo, em 54 jogos, o que dá uma percentagem de 68,5% de vitórias.

Fernando Santos estreou-se como selecionador nacional em 11 de outubro de 2014, com um desaire por 2-1 com a França, num particular realizado em solo gaulês, onde, menos de dois anos depois, viria a comandar Portugal ao maior feito da sua história.

Em 10 de julho de 2016, em Saint-Denis, no mesmo palco em que começara a caminhada com um desaire, levou a equipa das ‘quinas’ ao título europeu, com um triunfo por 1-0 sobre a mesma França, selado no prolongamento pelo ‘herói’ Éder.

Depois de um terceiro lugar numa inédita presença na Taça das Confederações, a formação comandada por Fernando Santos não teve o mesmo sucesso no Mundial de 2018, caindo logo nos ‘oitavos’ face ao Uruguai, numa competição conquistada pela França.

No ano seguinte, o técnico que também entrou para a ‘lenda’ como o ‘engenheiro do penta’, ao selar um inédito quinto título consecutivo do FC Porto na I Liga, em 1998/99, voltou a arrebatar um troféu, desta vez a primeira edição da Liga das Nações.

Em solo luso, a seleção portuguesa de futebol superou a Suíça nas meias-finais e os Países Baixos na final, por 1-0, com um golo de Gonçalo Guedes, para alcançar o segundo troféu da sua história, iniciada em 18 de dezembro de 1921.

Depois disso, já colocou Portugal no Europeu de 2020, adiado para 2021, mas não conseguiu repetir a presença na ‘final four’ da segunda edição da Liga das Nações, novamente num ‘choque’ com a França, que levou a melhor no jogo decisivo (1-0 na Luz).

O objetivo próximo de Fernando Santos é somar mais dois triunfos no arranque do Grupo A europeu de apuramento para o Mundial de 2022, nos jogos nos redutos de Sérvia (sábado) e Luxemburgo (terça-feira).

PFO // PFO

Lusa/Fim

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.