Uma derrota com o eterno rival no último jogo - o Sporting perdeu os quatro jogos com Benfica e FC Porto no campeonato - valeu a perda do último lugar do pódio, que ocupava, isolado, desde a 27.ª jornada, mas as coisas começaram tortas e nunca mais se endireitaram, com o despedimento do holandês Marcel Keizer à quarta jornada, após derrota caseira frente ao Rio Ave.

A saída de Keizer e a entrada de Leonel Pontes, técnico da equipa de ‘sub-23', não teve qualquer efeito na equipa, que empatou no Bessa a um golo e perdeu em casa com o Famalicão por 2-1, ficando, logo à sexta jornada, em sétimo lugar, a sete pontos dos rivais Benfica e FC Porto, segundo e terceiro, e a oito do líder Famalicão.

A Leonel Pontes seguiu-se Jorge Silas, mas o ‘consulado' do novo treinador seria interrompido em 03 de março, após a derrota do Sporting em Famalicão por 3-1, à 23.ª ronda, que deixou a equipa em quarto lugar, a 20 pontos do FC Porto, que liderava, e a 19 do Benfica, que era segundo.

O ‘fosso' para os rivais já era irrecuperável ao final da primeira volta, à 17.ª jornada, quando a equipa perdeu em Alvalade com o Benfica, por 2-0, seguindo em quarto lugar, a 19 pontos dos ‘encarnados’, que então lideravam, e a 12 do FC Porto, que era segundo.

Duas jornadas antes, em 05 de janeiro, o Sporting também caíra aos pés do FC Porto, em casa, por 2-1, mais duas derrotas perante os rivais diretos que contribuíram para a pior série de 15 jogos sem vencer (nove derrotas e seis empates) frente aos rivais diretos para o campeonato, registando-se a última vitória dos ‘leões' em 28 de agosto de 2016, em Alvalade, frente ao FC Porto (2-1).

Com a época arruinada, afastado do título, da Taça de Portugal, pelo Alverca, do terceiro escalão, da Liga Europa, eliminado nos oitavos de final pelos turcos do Basaksehir, foi contratado Rúben Amorim, no início de março, ao Sporting de Braga, mas a pandemia da covid-19 obrigou à paragem da maioria das Ligas europeias, entre elas a portuguesa, que só regressou quase três meses depois.

Sem adeptos nas bancadas, sem contestação das claques, sem a pressão dos resultados, Rúben Amorim teve o ambiente propício para a apostar em jovens jogadores da formação como Eduardo Quaresma, Nuno Mendes e Matheus Nunes e Jovane Cabral ou como o equatoriano Gonzalo Plata, e começar a preparar a próxima época.

Se Bruno Fernandes foi a grande figura, o ‘patrão' da equipa, e o seu capitão, até ser negociado no final do mês de janeiro para o Manchester United, no período pós-pandemia, já com Rúben Amorim ao ‘leme', quem mais se destacou foi o jovem Jovane Cabral, cujo potencial já era reconhecido, mas que ainda não tinha tido ‘palco' e continuidade para o mostrar.

Sporting iguala FC Porto na maior 'seca' entre 'grandes'

O Sporting superou a maior ‘seca’ da sua história, ao somar a 18.ª época sem vencer o campeonato português de futebol, igualando o recorde entre ‘grandes’ que o FC Porto ostentava a solo desde 1976/77.

Depois de 17 temporadas de ‘seca’, entre 1982/83 e 1998/99, os ‘leões’ superaram-se a si mesmos entre 2002/03 e 2019/20 e igualaram os ‘dragões’, que podem superar se não vencerem a 87.ª edição da prova, em 2020/21.

Depois do título arrecadado em 2001/2002, com 42 golos de um ‘enorme’ Mário Jardel, os ‘leões’ têm somado frustração atrás de frustração e 2019/20 não foi exceção, com quatro treinadores, oito derrotas e um quarto lugar, que nem chega para entrar direto na próxima edição da Liga Europa.

Os ‘leões’, que para já igualaram o registo portista de 1959/60 a 1976/77, somam, em 18 anos, seis segundos lugares, oito terceiros, três quartos e um sétimo.

Em 2006/07 e em 2015/16, os ‘leões’ ainda chegaram à última jornada com possibilidades de vencer a prova, mas não dependiam apenas de si próprios e acabaram batidos por FC Porto e Benfica, respetivamente.

Antes, em 2004/05, o Sporting, de José Peseiro, liderava com duas rondas por disputar, mas ficou fora da corrida na penúltima jornada, ao perder por 1-0 com o Benfica, na Luz, por culpa de um golo do brasileiro Luisão, muito perto fim.

Na presente temporada, que começou com um marcante 0-5 face ao Benfica na Supertaça, o Sporting ficou muito cedo afastado do título, com o holandês Marcel Keizer a deixar a equipa após a quarta jornada, no sexto posto, a três pontos da frente.

Os ‘leões’, que eram líderes após três rondas, apostaram no interino Leonel Pontes, mas este só durou, na I Liga, dois jogos: não ganhou nenhum e fez a equipa cair para a sétima posição, já a oito ponto do líder, um surpreendente Famalicão.

Chegou, então, Jorge Silas, que não conseguiu a desejada recuperação, muito pelo contrário: somou 10 vitórias, um empate e seis derrotas, e subiu até quarto, após 23 jornadas, mas então já a 20 pontos do líder FC Porto.

A troco de 10 milhões de euros, o Sporting apostou, com ‘tudo’ perdido, em Rúben Amorim, que foi ‘roubar’ ao Sporting de Braga. Os ‘leões’ ainda ultrapassaram os ‘arsenalistas’ e chegaram a ter mais cinco pontos, mas ‘caíram’ no final e voltaram a perder o último lugar do pódio.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.