Em Adler, Sochi, o sol nasce cedo. Às três da manhã o dia já se faz notar, mas não parece outro dia. Parece que ainda estamos na zona mista do Portugal - Espanha, porque aqui, na Rússia, não se fala de outra coisa.

Este sábado foi dia de dizer adeus à cidade que há quatro anos acolhia os Jogos Olímpicos. Com destino a Moscovo, partimos para o aeroporto. No táxi as notificações não paravam com as menções da imprensa internacional a Cristiano Ronaldo.

“Deixa-nos sem palavras”, lia-se n’A Bola. “España no puede con Ronaldo”, dizia o El Correo. “Espectacular!”, exacerbaram os espanhóis do Sport. “Nos faltó suerte y nos sobró Cristiano”, lamentou o As.

Chegados ao Aeroporto Internacional de Sochi, na fila para um embarque um jornalista brasileiro, sem tempo para apresentações ou cumprimentos, destapa-nos o sotaque: “Portugal?”, questiona, sem dar margem para resposta. Para na fila, para desatento dos que avançam, fala e gesticula como quem acaba de sair de um espetáculo.

“[Ontem] Eu já sabia que Ronaldo ia marcar. Como estava indo o jogo eu acreditava que Portugal ia ter, pelo menos, mais uma chance. Estava tão confiante que quando Ronaldo foi para bater o livre me virei de costas para o relvado e fiquei diante dos adeptos para ouvir a celebração”, disse entre gestos de euforia. “Que jogador”, suspirou, por fim.

Tão repentino como chegou, o vemos partir. Numa passada larga abandona-nos. Pede desculpa, tem um voo para apanhar para Rostov, onde a canarinha defronta a Suíça no domingo.

Num jogo de superação, Ronaldo empata Espanha
Num jogo de superação, Ronaldo empata Espanha
Ver artigo

Já no avião, um grupo de adeptos mexicanos não foge ao tema (como poderia?). Ronaldo? “Foy un golazo, na gaveta. E lo primero de Costa? Gran gol. Una falta perigosa, mas un bon gol”, dizia um dos sul-americanos enquanto tropeçava ao dizer os nomes de José Fonte e Cédric Soares, os dois defesas que o avançado espanhol Diego Costa tirou do caminho antes de atirar para o fundo das redes de Rui Patrício.

Passou um dia desde que a Seleção das Quinas e La Roja se defrontaram em Sochi. Desde então, a Islândia bateu o pé à temível Argentina, num jogo em que Lionel Messi falhou um penálti, e a Austrália assustou a França que só conseguiu garantir a vitória já perto do apito final com um golo de Pogba. O melhor futebol do mundo está acontecer aqui, entre os milhares de quilómetros que separam as várias cidades que recebem os jogos da maior competição de futebol do mundo, mas só o nome e o feito inaugural do melhor dos melhores é que continua a ecoar entre os adeptos.

É hora de jantar e o livre do Ronaldo já repetiu mais de cinco vezes em menos de um minuto num canal de televisão russo. O penálti falhado de Lionel Messi? Nem uma única vez.


Diário da Rússia é uma rubrica pela voz (e teclas) de Abílio Reis e Tomás Albino Gomes, equipa do SAPO24 enviada à Rússia para fazer cobertura do Mundial. Um diário que é mais do que futebol, porque a bola não se faz só de bola, mas também das pessoas que fazem a festa. Acompanhe a competição a par e passo no Especial "Histórias de futebol em viagem pela Rússia".

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.