Numa entrevista realizada poucas horas antes da final do campeonato de futebol americano (NFL), o Super Bowl, Donald Trump foi questionado sobre a possibilidade de autorizar Baron, de 12 anos, a praticar a modalidade, cada vez mais criticada pela sua violência.

“É uma boa pergunta. Se ele quisesse, sim, mas eu não o incentivaria”, afirmou Trump, acrescentando: “Ele joga futebol, e estou muito contente com isso”.

O presidente norte-americano afirmou que muitas pessoas, incluindo ele próprio, nunca acreditaram que “o futebol vingasse nos Estados Unidos, mas a verdade é que a modalidade está a crescer rapidamente”.

Donald Trump envolveu-se pessoalmente na campanha da candidatura conjunta dos Estados Unidos, Canadá e México à organização do Mundial de futebol de 2026, que acabou por ser escolhida pela FIFA.

O presidente dos Estados Unidos é fã de futebol americano, mas teceu duras críticas à NFL por permitir que os jogadores fiquem de joelhos, e não de pé como é tradição, durante o hino do para protestarem contra a injustiça social e a violência policial contra os afro-americanos.

A NFL tem sido criticada pela violência em campo, sobretudo depois de um estudo recente ter indicado que 99% dos ex-jogadores da modalidade têm lesões cerebrais,

“É um desporto muito perigoso, pensei que os equipamentos iram melhorar, e isso até aconteceu com os capacetes, mas não resolveu o problema”, disse Trump.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.