Figueira da Foz, "casa" de uma das praias mais extensas do centro-norte de Portugal e uma das cidades mais voltadas para a prática do desporto, especialmente no que toca ao uso do imenso areal desta cidade costeira, tendo começado essa "costela" a nascer em 2010. Foi nessa altura em que se estreou o Figueira Beach Rugby, um torneio icónico da variante de rugby de praia e, acima de tudo, altamente reconhecido a nível internacional.

Desde então que esta competição se tornou não só o principal evento desta variante em território nacional, como assume a "presidência", sendo um dos grandes torneios das European Beach Rugby Association Series — e em 2019 vai mesmo ser o local onde este circuito europeu termina, numa festa que vai envolver mais de 40 equipas seniores (masculinos e femininos) e 8 em idade juvenil (sub-16), perspectivando-se cerca de 500 atletas (no mínimo) a competirem nos dias 20 e 21 de julho na Figueira da Foz.

Para quem não é tão familiarizado com a prática do Beach Rugby é fácil explicar: cinco contra cinco (com mais cinco suplentes em cada equipa que podem entrar a qualquer momento) num campo mais curto tanto em comprimento como largura em comparação ao utilizado em rugby de XV. Aqui não há rucks, formações-ordenadas, alinhamentos ou pontapés, o que significa um jogo mais rápido, altamente físico e propenso ao espectáculo constante durante os 10 minutos (cinco para cada parte) que decorre. 

É uma das organizações mais ambiciosas de sempre e o facto do torneio ser dividido em quatro divisões demonstra isso mesmo, sendo elas: a EBRA Master Final Cup, o Figueira Beach Rugby Series para as equipas masculinas e femininas e o EBRA U16 Youth Cup. Mas o que significa cada uma delas? Que equipas interessantes podem ter uma hipótese de chegar ao "ouro"? E qual o prémio monetário?

Dos Masters aos Youth's: o que há para ver?

Como já referimos, o Figueira Beach Rugby 2019 marca o fim do Circuito Europeu das EBRA Series 2019 e como tal será necessário apurar os campeões, tanto masculinos como femininos. Se nos femininos basta fazer uma divisão com 10 equipas, já nos masculinos foi necessário dividir em duas ligas diferentes: a EBRA Master Final Cup e Figueira Beach Rugby International.

No EBRA Master Final Cup só vão participar equipas que se apuraram por terem conquistado torneios inseridos no EBRA Series de 2018 e 2019, ou por via de Wild Cards oferecidos pela organização. Esta super competição decorre apenas no sábado, sendo que no domingo as equipas participantes nesta prova juntam-se às que estão no torneio geral do Figueira Beach Rugby.

Por isso, quem vai jogar para o título de campeão masculino da Master Final Cup? Bouls Beach Boys (França), Crazy Crabs (Itália), Les Minots (França e têm sido uma das melhores equipas de sempre na Figueira), Ovale Beach Marseille (França), Magnets (Bélgica), Randuba (Holanda), SA Wild Dogs (África do Sul, Wildcard 1), Curaçao (da pequena ilha de Curaçao chega o 2º Wildcard) e Pacific Islanders (equipa do Pacífico são o 3º Classificado). O contingente português é representado pelo CDUL —  finalistas do Figueira Beach Rugby 2018) e pelo CR São Miguel, sendo que os "bulldogs" são os actuais 2ºs classificados dos Portugal Beach Rugby Series.

São estas as equipas que ganharam o direito de participar na Master Final Cup, que pode ajudar a apurar desde logo o campeão antecipado das EBRA Series 2019, sendo que só um par de equipas pode atingir esse objectivo e isto é devido ao ranking que contabiliza neste momento os pontos das duas etapas anteriores. Para já, este é liderado pela Rússia (que não vai participar no FBR), seguido pelos Minots e Ovale Beach Rugby Marseille (os portugueses do CDUL seguem em 4º lugar), mas só os Minots têm uma real chance de conseguir chegar ao primeiro lugar (para atingir esse objectivo terão de chegar à final e conquistá-la).

Na competição geral masculina, que decorre durante os dois dias, estão confirmadas outras 19 formações, sem a possibilidade de disputar a Masters Cup: Antwerp Wankers, Disco Disco, Western Hagelanders, North Sevens, Lymm, French Fray, Barbarian Catalans. Académica de Coimbra, RC Coimbra, Agrária, Ginásio, SL Benfica, Técnico Rugby, GD Direito, Aveiro, RC Montemor, Manitos, Lycaons e Braga Rugby. Estas vão jogar entre si, juntando-se as do Master Final Cup no dia seguinte.

Nos femininos temos o Sport Porto com claras chances de conseguir o título de melhor equipa feminina das EBRA Series, uma vez que ocupa o segundo lugar da classificação geral (menos 12 pontos que a Rússia, que também não estará presente nos femininos) seguida de perto pelo Ovale Beach Rugby Marseille, a outra formação com possibilidades de chegar ao título de campeão das Series, a par do clube portuense. 

As restantes equipas participantes são: Putain Nanas (já conquistaram o Figueira Beach Rugby por uma ocasião), Red White and Brews (Alemanha), Ghent Ladies (Bélgica), SL Benfica, Panteras, Agrária, Porto Girls e CR São Miguel.

Por isso, três divisões seniores, três títulos de campeão em jogo e 11 países representados na competição... quais deles merecem atenção?

Favoritos e underdogs: quem é quem?

Candidatos ao título de campeões? Les Minots, Ovalle Beach Rugby Marseille, Pacific Islanders, Magnets e CDUL na Masters Cup masculina e Sport Porto, Putain Nanas e SL Benfica nos femininos, enquanto que GD Direito, Técnico Rugby, Barbarian Catalans e Disco Disco terão uma palavra a dizer no Figueira Beach Rugby International. Mas vamos então escolher uma de cada divisão, não deixando de mencionar um pouco das outras.

Na Master Final Cup, são os Minots a receber toda a atenção possível, pois apresentam o rugby mais emocionante, rápido e intenso das areias, onde uma série de atletas franceses façam o que querem do adversário, mostrando uma versatilidade e agilidade genial.

É essa a característica principal dos Minots, o ser genial em todos os parâmetros, seja na defesa (apresentam as melhores estratégias e tácticas, algumas que até parecem provocar um certo desequilíbrio, mas é um logro para enganar o adversário) ou ataque (um handling impressionante, para além de um malabarismo constante e que confunde quem está do outro lado), mostrando toda uma "magia" que eleva o rugby de praia.

Os Magnets são similares mas menos fantásticos com a bola nas mãos, apesar de serem um nível acima em termos de físico, para além dos Pacific Islanders que são uma incógnita e os Ovale, que em outros tempos foram "grandes" estando agora num processo de reconstrução.

Nos femininos não há dúvidas que as especialistas do Sport Porto de Nuno Gramaxo são as grandes candidatas a irem à final e conquistarem o título. Fisicamente parecem não ter grandes argumentos, mas a capacidade defensiva de ir buscar e estancar o ataque adversário é de qualidade, para além de uma qualidade ofensiva ágil e que move paixões (e ódios) nos areais. Veremos se as Putain Nanas (a equipa de Lille, que já ganhou o Figueira Beach Rugby em 2016) ou SL Benfica têm capacidade de surpreender na competição, ou se será uma luta entre Sport Porto e Ovalle.

A luta no Figueira Beach Rugby International será inicialmente entre equipas portuguesas, com os Barbarian Catalans (equipa "B" dos Minots) a correrem por fora, ou seja, Grupo Desportivo do Direito e Técnico Rugby têm a experiência suficiente para dominar a competição e oferecer jogos de uma intensa fisicalidade, para além daquele shift de movimentos de soberbo efeito que oferecem um espectáculo total a quem está a assistir aos jogos. Contudo, no domingo juntam-se os conjuntos da Masters Cup e volta a ser um shuffle cativante e entusiasmante.

Por isso, têm aqui algumas equipas para seguir de perto durante a competição que vai acontecer entre os dias 20 e 21 de julho, num evento que vai ocupar o calendário mundial do Beach Rugby como o torneio mais importante de 2019. Se o número de equipas ou as várias divisões não provam já esse factor "lendário", então o que dizer do impacto do evento tanto para a Figueira da Foz como para as EBRA Series?

A partir do FBR foi montada uma Beach Sports City com a projecção e realização de uma vaga de outros eventos que enchem a Figueira da Foz de pessoas, cor e competição durante todo o ano, como a Madjer Cup, por exemplo, para o futebol de praia. Para o circuito europeu da variante, a Figueira tem sido visto como o torneio mais democrático, aquele que atrai mais equipas e o que permite uma competição gigantesca sempre com mais de 50 equipas por ano, mantendo a mesma gama de condições e qualidade da organização.

Estão 2500€ em jogo (1500€ para os masculinos e 1000€ para os femininos), mas antes de chegar aos prémios é preciso derrotar todos os adversários que aparecerem pela frente... quem vai ser o campeão do Figueira Beach Rugby 2019?

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.