Até ao momento a categoria rainha do automobilismo mundial adiou oito Grande Prémios e a corrida do Mónaco foi mesmo cancelada.

O organismo adiantou que vários líderes do grupo continuam a trabalhar com “cortes salariais voluntários”, sem recurso aos mecanismos legais previstos, e que o diretor executivo Chase Carey teve um corte no seu orçamento “muito mais profundo”.

As escuderias da McLaren e Williams já tinham colocado algum pessoal em ‘play-off’, e os pilotos da McLaren Lando Norris e Carlos Sainz sofreram cortes salariais.

A época tem ainda previsto o seu início para 28 de junho, em França, depois de terem sido adiados os Grande Prémios da Austrália, Bahrain, Vietname, China, Países Baixos, Espanha Azerbaijão e Canadá, e cancelado o do Mónaco.

A Fórmula 1 ‘Management’ diz ainda que espera conseguir realizar entre 15 a 18 corridas das 22 originalmente previstas para a época, afetada pela paragem de competições em todo o mundo, devido à pandemia do novo coronavírus.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,4 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 82 mil.

Dos casos de infeção, cerca de 260 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com mais de 750 mil infetados e mais de 58 mil mortos, é aquele onde se regista o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, contabilizando 17.127 óbitos em 135.586 casos confirmados até terça-feira.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.