O ciclista francês cumpriu os 190 quilómetros da tirada em 4:57.58 horas, com o russo Ilnur Zakarin (Katusha Alpecin) no segundo lugar e Vincenzo Nibali (Bahrain-Mérida) em terceiro.

Quintana acabou em quinto, com o mesmo tempo do vencedor, mantendo a liderança da geral, com 39 segundos de vantagem sobre Nibali e 43 face a Pinot.

Tom Dumoulin (Sunweb) foi 10.º, cedendo 15 segundos para o colombiano, que tem agora 53 segundos de vantagem sobre o holandês, que é um especialista no contrarrelógio e favorito à vitória na última etapa, tendo já vencido o ‘crono’ da 10.ª etapa, ainda que a diferença entre os primeiros seis corredores da geral seja de apenas 1.30 minutos, margem mais curta da história do Giro à entrada para o último dia.

A ligação entre Pordenone e Asiago, a última etapa de montanha da ‘corsa rosa’ deste ano, começou com uma fuga de seis corredores, que enfrentaram a subida ao Muro de Ca’ del Poggio, com Filippo Pozzato (Willier Triestina – Selle Italia) a destacar-se, num grupo que chegou a ter seis minutos de avanço.

O primeiro a ‘quebrar’ o controlo da Movistar sobre o pelotão foi o russo da Katusha Alpecin, que foi imediatamente seguido por Nibali e Quintana.

A 23 quilómetros da meta, Zakarin apoiou-se em Domenico Pozzovivo (AG2R La Mondiale) e os dois descolaram, ainda que Quintana, Nibali e Pinot tenham alcançado o duo.

Para trás, ficou Dumoulin, bem como outros ciclistas do ‘top 10’, como Adam Yates (Orica-Scott), Bauke Mollema (Trek Segafredo) e Bob Jungels (Quick-Step Floors), num grupo que viria a perder 15 segundos para a frente da corrida.

Nos últimos metros, e apesar de um ataque de Pozzovivo, que acabou em quarto, Pinot impôs-se a Zakarin e Nibali, segundo e terceiro, respetivamente, para cortar primeiro a meta em Asiago.

Quanto aos portugueses, o mais bem posicionado na tirada foi o campeão luso de estrada José Mendes (Bora-Hansgrohe), que terminou na 21.ª posição a 4.18 minutos de Pinot, o que lhe valeu um ‘salto’ de 11 posições na tabela geral, para o 49.º lugar, a mais de duas horas de Quintana.

Rui Costa (UAE Emirates), que procurou integrar uma fuga que lhe permitisse chegar à vitória, que lhe escapou já em três etapas em que terminou em segundo lugar, acabou por perder muito tempo ao terminar na 104.ª posição, cedendo mais de meia hora e caindo para o 27.º posto, mesmo depois da desistência de Steven Kruijswijk (Lotto NL),que abandonou antes da etapa e era 10.º à geral.

José Gonçalves (Katusha Alpecin) teve como missão apoiar Zakarin na etapa, acabando a tirada no 57.º posto e subindo três lugares na geral, para 60.º.

A 100.ª edição do Giro termina no domingo, num contrarrelógio individual, que liga Monza a Milão em 29,3 quilómetros.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.