Na primeira partida com espetadores, no Estádio Municipal de Braga (2.196), após a interrupção das competições, em março, por causa da pandemia de covid-19, e 54 anos depois da estreia nas competições europeias precisamente diante do AEK Atenas, o Sporting de Braga venceu com inteira justiça por 3-0, com golos de Galeno (44 minutos), Paulinho (78) e Ricardo Horta (88), e lidera, com o Leicester (que bateu o Zorya também por 3-0), o grupo G.

Os ‘arsenalistas' entraram muito dominantes e a pressão da equipa orientada por Carlos Carvalhal chegou a ser asfixiante, para o que contribuía, também, uma gritante falta de capacidade técnica do AEK na primeira fase de construção.

Contudo, apesar do domínio, a turma bracarense não tinha arte, nem engenho para criar grandes ocasiões de golo, com exceção de um lance aos 38 minutos em que, após grande cruzamento de Paulinho da esquerda, Fransérgio cabeceou ao lado.

O internacional português da equipa grega Nélson Oliveira respondeu com a melhor oportunidade dos helénicos neste período (42), mas logo a seguir surgiu o primeiro golo dos minhotos, com Galeno, de cabeça, a antecipar-se a um defesa do AEK e a responder da melhor maneira a um bom cruzamento da direita de Esgaio (44).

O AEK entrou melhor na segunda parte e, aos 50 minutos, após um livre e em excelente posição, o central ucraniano Chygrynskiy rematou fraco e Matheus defendeu com facilidade.

Aos 57 minutos, um ‘tiro' de Sequeira de fora da área obrigou o guardião grego a uma boa defesa e, quatro minutos depois, foi Fransérgio a rematar: Tsintotas defendeu e Galeno, na recarga, atirou ao lado.

O AEK era agora mais perigoso e, aos 63 minutos, o recém-entrado Tankovic ladeou Matheus, mas foi Nélson Oliveira que rematou, já de ângulo apertado, às malhas laterais.

Depois só ‘deu' Braga e, aos 72 minutos, Ricardo Horta desperdiçou flagrante ocasião. O golo que ‘matou' a partida surgiu aos 78 minutos, com um remate cruzado de Paulinho após uma grande jogada de Galeno.

O extremo brasileiro intercetou uma bola ainda no meio campo defensivo bracarense, tabelou com Ricardo Horta, foi galgando terreno e deixou mais dois adversários pelo caminho antes de assistir o ponta-de-lança.

A vantagem permitiu a Carlos Carvalhal gerir a equipa com vista ao ‘clássico' minhoto de domingo, em casa do Vitória de Guimarães, e, aos 88 minutos, Ricardo Horta fez o último dos ‘arsenalistas' a passe de Paulinho.

(Notícia atualizada às 22h20)

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.