Em solo luso, Portugal somou uma única vitória tangencial (1-0), um triunfo por 2-0, três por 3-0 e outras tantas goleadas, uma por 5-0 e duas por 6-0, a mais recente no Estádio Algarve, que será palco do encontro de terça-feira.

Pauleta e Simão, ambos com um ‘bis’, destacaram-se nesse encontro, disputado em 03 de setembro de 2005, a contar para a qualificação para o Mundial de 2006.

Esse triunfo repetiu a maior goleada lusa face aos luxemburgueses, os 6-0 de 19 de março de 1961, na corrida, falhada, para o Mundial de 1962, num embate em que a ‘estrela’ lusa foi Yaúca, ao conseguir um ‘hat-trick’.

A outra goleada caseira aconteceu em 10 de agosto de 2011, dia em que, num particular, Portugal vencer por 5-0, também no Estádio Algarve, com tentos de Hélder Postiga, Cristiano Ronaldo, Fábio Coentrão e Hugo Almeida, este último em dose dupla.

Nos dois últimos jogos caseiros, a formação lusa ficou-se nos 3-0, primeiro em 2013, em Coimbra, com tentos de Silvestre Varela, Nani e Postiga, e, mais recentemente, em 2019, com golos de Bernardo Silva, Ronaldo e Gonçalo Guedes, em Alvalade, no apuramento para o Mundial2014 e o Euro2020, respetivamente.

Em 2004, na preparação para o Europeu que Portugal organizou, Portugal também venceu pelo mesmo resultado, então em Águeda, num resultado materializado por Figo, Nuno Gomes e Rui Costa, este último eleito nas últimas horas presidente do Benfica.

Os jogos caseiros mais equilibrados, em termos de resultado, aconteceram em 1988, com um tangencial 1-0, selado por Fernando Gomes, e em 1986, num triunfo por 2-0, com novo tento do ‘bi-Bota de Ouro’, depois de Frederico inaugurar o marcador.

A perfeição de Portugal nos jogos caseiros não é extensível a todos os 18 embates com o Luxemburgo, já que, em reduto alheio, a equipa das ‘quinas’ cedeu uma igualdade e perdeu uma vez, curiosamente na estreia do ‘rei’ Eusébio.

Em 08 de outubro de 1961, na Cidade do Luxemburgo, a ‘casa’ da formação do Grão-Ducado, Eusébio, lançado pelo selecionador Fernando Peyroteo, e até marcou, mas Portugal perdeu por 4-2, em 19 de março de 1961, culpa de um ‘hat-trick’ de Ady Schmidt.

O outro embate que não venceu aconteceu em 12 de outubro de 1991, faz terça-feira precisamente três décadas: o resultado acabou com um empate a um, pertencendo ao estreante António Nogueira o golo luso.

Se o desaire ficou para a história como o jogo em que Eusébio se estreou, este entrou para a ‘lenda’ como o embate – o 298.º de Portugal – em que o também ‘Bola de Ouro’ Figo e João Vieira Pinto cumpriram a sua primeira internacionalização ‘AA’.

Emílio Peixe, que tinha sido eleito o melhor jogador do Mundial de juniores de 1991, conquistado pela seleção lusa em Lisboa, também cumpriu a estreia, no jogo que antecedeu o desaire por 1-0 na Holanda, quatro dias depois, que tirou Portugal do Euro92.

No último jogo, já de apuramento para o Mundial de 2022, Portugal esteve a perder, mas acabou por vencer no Luxemburgo por 3-1, com golos de Diogo Jota, Cristiano Ronaldo e Palhinha.

No total, a seleção lusa soma 16 vitórias, um empate e uma derrota, com 54 golos marcados e oito sofridos, em 18 jogos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.