Portugal ocupa o segundo posto do grupo, com 13 pontos, menos um do que os sérvios, que no sábado, ao mesmo tempo que a equipa das ‘quinas’ vencia o particular com o Qatar (3-0), bateram fora os luxemburgueses por 1-0, com um tento de Dusan Vlahovic, e subiram ao primeiro lugar, embora com mais uma partida.

Na terça-feira, em caso de triunfo sobre o Luxemburgo, no Estádio Algarve, a equipa das ‘quinas’ poderá voltar ao topo do Grupo A, embora não dependa apenas de si própria para o conseguir.

Precisará, igualmente, de uma ‘ajuda’ do Azerbaijão no reduto dos sérvios, algo que parece pouco provável, tendo em conta que o melhor que os azeris conseguiram nesta fase de apuramento foi um empate com a República da Irlanda.

Ainda assim, Portugal continua exclusivamente a depender de si para se qualificar diretamente para o Campeonato do Mundo, sendo certo que três vitórias nos três jogos que restam será sinal de ‘carimbo’ no ‘passaporte’ para o Qatar – os sérvios também só precisam de vencer os seus dois jogos.

Já o Luxemburgo, que também tem menos um jogo, é terceiro, com seis pontos, pelo que sabe que tudo o que não seja um triunfo no Algarve significará o adeus definitivo a qualquer réstia de esperança que ainda acalente.

Tal como já tinha revelado antes da partida, Fernando Santos fez várias poupanças diante dos qataris, sendo previsível que a maioria dos jogadores que estiveram no banco de suplentes – alguns entrando no decorrer da segunda parte – possam ser titulares com o Luxemburgo, como são os casos de Palhinha, Bruno Fernandes, Bernardo Silva ou João Moutinho.

Face às dificuldades que Portugal sentiu no Luxemburgo (3-1), onde, em março, chegou a estar em desvantagem, é certo que o selecionador não vai poupar na ‘artilharia’, proporcionando, por exemplo, que Rui Patrício atinja as 100 internacionalizações, e que Pepe e Rúben Dias ‘fortifiquem’ o eixo defensivo, depois de não terem sido utilizados no particular de sábado, à semelhança de João Cancelo.

Apesar de Matheus Nunes e Rafael Leão terem dado boas indicações e aumentado, certamente, as ‘dores de cabeça’ – positivas – do técnico, a principal fonte de alguma preocupação será Diogo Jota, já que o melhor marcador luso na fase de qualificação (quatro golos) tem apresentado problemas musculares e ainda não realizou qualquer treino desde o arranque da preparação.

Diante de um adversário que venceu em 16 ocasiões e ao qual concedeu apenas uma derrota, em 1961, e um empate, em 1991, interessará à seleção nacional dar sequência ao histórico com o Luxemburgo, que lhe abra perspetivas de fazer um ‘xeque-mate’ no apuramento, em novembro, quando visitar a República da Irlanda e receber a Sérvia, nos últimos duelos no Grupo A.

Portugal tem feito qualificação de ‘serviços mínimos’

Com cinco partidas disputadas num grupo para o qual partia claramente como favorito, Portugal soma quatro vitórias e um empate, um desempenho que, à primeira vista, parece perfeitamente natural, face à oposição da Sérvia, a principal concorrente, Luxemburgo, República da Irlanda e Azerbaijão.

Contudo, os resultados e, sobretudo, as exibições indicam que os campeões europeus em 2016 têm enfrentado dificuldades inesperadas, tendo em conta a qualidade, ‘gabarito’ e estatuto que os jogadores lusos granjeiam, em comparação com os adversários.

A prova disso mesmo foi o arranque da fase de apuramento, em março, com três jogos em seis dias, o primeiro dos quais em Turim, em casa ‘emprestada’, então de Ronaldo, com um ‘magro’ triunfo por 1-0 sobre o Azerbaijão, 117.º colocado do ‘ranking’ FIFA, apenas ‘desbloqueado’ com um autogolo de Maksim Medvedev.

Na segunda jornada, o duelo que se antevia de maior ‘perigo’, em Belgrado, pareceu resolvido na primeira parte, assente numa exibição de qualidade e dois golos de Diogo Jota, só que, no segundo tempo, Aleksandar Mitrovic e Filip Kostic tiraram partido das desconcentrações lusas e fixaram o empate 2-2.

Sobre o final, Cristiano Ronaldo ainda conseguiu colocar pela terceira vez a bola na baliza dos sérvios, mas nenhum dos elementos da equipa arbitragem – num jogo sem VAR – viu o esférico ultrapassar por completo a linha de golo.

Poucos dias depois, um jogador nascido no Pragal, mas naturalizado luxemburguês, Gerson Rodrigues, abriu o marcador no grão-ducado e obrigou a seleção nacional a inverter o resultado, através de Diogo Jota e Cristiano Ronaldo, cabendo a Palhinha sentenciar o triunfo, por 3-1, aos 80 minutos.

No mesmo dia, a Sérvia vencia no Azerbaijão (2-1) e continuava a dividir a liderança do grupo com a equipa das ‘quinas’, antes de uma pausa de meio ano na qualificação, durante a qual Portugal ‘caiu’ nos oitavos de final do Euro2020, que tinha sido adiado devido à pandemia de covid-19.

Esquecida a eliminação na competição e passado o ‘testemunho’ à Itália, a formação comandada por Fernando Santos retomou o caminho para o Qatar em setembro, mas de forma ‘tremida’ e ‘obrigando’ Cristiano Ronaldo a tornar-se o melhor marcador de sempre por seleções, graças a um ‘bis’, aos 89 e 90+6 minutos, que consumou a reviravolta (2-1) sobre uma República da Irlanda muito longe da qualidade de outrora.

Face à goleada da Sérvia sobre o Luxemburgo (4-1), a liderança continuava repartida, até que Portugal se isolou no topo, graças a um triunfo no Azerbaijão (3-0) - o único adversário que não logrou marcar à equipa lusa -, com tentos de Bernardo Silva, André Silva e Diogo Jota, aliado ao surpreendente e tardio empate que os sérvios cederam em Dublin (1-1).

Portugal tinha, assim, dois pontos de vantagem sobre a Sérvia, mas que, entretanto, no sábado, foram ‘anulados’, tendo em conta que os sérvios venceram por 1-0 no Luxemburgo e passaram para a liderança, com mais um ponto do que a equipa das ‘quinas’, mas também mais um jogo.

Já o Luxemburgo, que tem menos um jogo, é terceiro, com seis pontos, à frente de República da Irlanda (cinco) e Azerbaijão (um).

O jogo entre Portugal e Luxemburgo está agendado para terça-feira, a partir das 19:45, no Estádio Algarve.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.