Ao todo, 28 pessoas foram interrogadas pela polícia na quarta e na quinta-feira, sendo que 19 destes são agora acusados de associação criminosa, corrupção e branqueamento de capitais.

Entre os nove detidos estão três agentes de futebol, incluindo o antigo presidente do Charleroi, Mogi Bayat, relacionado com transferências fraudulentas entre clubes belgas.

O diretor do Mechelen Thierry Steemans, o antigo advogado do Anderlecht Laurent Denis e o árbitro Bart Vertenten também foram detidos pelo envolvimento no escândalo, que envolve ainda dois jogos de março deste ano, no qual o Malines terá tentado manipular o resultado através do árbitro, Sébastien Delferière, para conseguir manter-se na primeira divisão.

Delferière é acusado de corrupção e foi suspenso pela Federação Belga de Futebol, à semelhança de Bart Vertenten.

A operação, desencadeada por suspeita de branqueamento de capitais, corrupção e fraude desportiva, envolveu pessoas de um total de nove clubes belgas na sequência de buscas em sete países: além da Bélgica, França, Luxemburgo, Chipre, Montenegro, Sérvia e Macedónia.

A investigação teve como base um relatório da Unidade de Fraude Desportiva da Polícia Federal, de 2017, que revelou indícios de transações suspeitas na principal competição belga de futebol.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.