Em comunicado hoje divulgado, o Sporting Clube de Portugal adianta que "vai avançar com uma acção em tribunal, e também com uma participação à FIFA, contra a Sport Lisboa e Benfica, SAD, devido ao assédio ilegal e contra todas as normas em vigor, feito a jogadores do Sporting CP".

Ainda numa lógica de responder a notícias que têm vindo a público sobre a rescisão de Rui Patrício, adianta o clube de Alvalde que "aceitou, desde a primeira hora, realizar o negócio da transferência de Rui Patrício para o Wolverhampton desde que as condições fossem, como nos tinha sido garantido, semelhantes às apresentadas pelo Nápoles, ou seja: 18 milhões de euros, a pagar em 24 meses, ficando a Sporting Clube de Portugal – Futebol, SAD com uma possível mais-valia de 15 por cento numa futura transferência, e onde sempre foi exigido pela Sporting SAD mais dois milhões em variáveis. Mas o que nos foi apresentado dilatava o prazo de pagamento para 34 meses e atribuía uma compensação por mais-valia futura em apenas 10 por cento e sem variáveis".

Já sobre Jorge Jesus, cuja saída é há muito especulada, esclarece o clube que "todas as conversas sobre o futuro de Jorge Jesus no Clube estão a ser conduzidas exclusivamente pelo Presidente Bruno de Carvalho".


Leia aqui o comunicado na íntegra

1 – A Sporting Clube de Portugal – Futebol, SAD vai avançar com uma acção em tribunal, e também com uma participação à FIFA, contra a Sport Lisboa e Benfica, SAD, devido ao assédio ilegal e contra todas as normas em vigor, feito a jogadores do Sporting CP, acção essa que foi confirmada na noite de ontem por Octávio Machado, que, por manifesto e evidente conhecimento dos factos, será por nós arrolado como testemunha (ler aqui).

2 – Em relação às notícias que os jornais insistem em publicar, nas quais fazem a ´defesa´da posição da Gestifute no processo da transferência do jogador Rui Patrício, ignorando a chantagem exercida sobre a Sporting CP – Futebol, SAD, não é demais voltar a sublinhar a questão ontem colocada, uma vez que não obteve, até ao momento, qualquer resposta: é ou não verdade que a Gestifute exigiu o pagamento de uma verba superior a 7 milhões de euros para concluir o negócio com o Wolverhampton, relativamente a assuntos que nada tinham a ver com a transação?

Importa esclarecer que a Comissão Executiva da SAD é um órgão colegial, composto por quatro elementos, e que as decisões são tomadas em conjunto. Esta Comissão Executiva em momento algum aceitou, ou assumiu o compromisso, de liquidar uma suposta dívida de 4 milhões de euros à Gestifute pela venda do passe do jogador Adrien Silva, nem relativamente a Rui Patrício. É nosso entendimento que esse pressuposto, contido no contrato assinado entre o jogador (e já agora, também no de Rui Patrício) e a Sporting CP – Futebol, SAD, em 2012, deixou de ser válido a partir do momento em que um novo contrato foi assinado entre as partes, em 2016. Não se tratou, então, de uma renovação, mas sim da elaboração de um novo contrato. É esse o nosso entendimento. Entretanto, o jogador Adrien Silva foi transferido há quase um ano, e se a Gestifute se considerava credora desses 4 milhões, porque razão apenas enviou uma simples carta para a SAD e quando as suas pretensões foram recusadas não accionou os mecanismos legais para, então, resolver o diferendo nos tribunais?

Em conformidade com o exposto, vale a pena relembrar que a Comissão Executiva aceitou, desde a primeira hora, realizar o negócio da transferência de Rui Patrício para o Wolverhampton desde que as condições fossem, como nos tinha sido garantido, semelhantes às apresentadas pelo Nápoles, ou seja: 18 milhões de euros, a pagar em 24 meses, ficando a Sporting Clube de Portugal – Futebol, SAD com uma possível mais-valia de 15 por cento numa futura transferência, e onde sempre foi exigido pela Sporting SAD mais dois milhões em variáveis. Mas o que nos foi apresentado dilatava o prazo de pagamento para 34 meses e atribuía uma compensação por mais-valia futura em apenas 10 por cento e sem variáveis.

Mais: a Sporting Clube de Portugal – Futebol, SAD fez uma pesquisa de mercado no sentido de descontar no imediato os 18 milhões de euros a serem pagos pelo Wolverhampton, e as melhores propostas que nos foram apresentadas cobravam o triplo em juros do que pediam estas mesmas entidades financeiras, caso o clube comprador fosse o Nápoles. Assim, informámos o Wolverhampton de que o negócio teria de ser feito por 20 milhões de euros, por forma a compensar esse aumento dos juros, mantendo todas as restantes condições propostas pelo Nápoles. Por volta das 23h30 da passada quinta-feira, o representante da Gestifute perguntou a um dos membros da Comissão Executiva da SAD, Guilherme Pinheiro, se aquela seria a posição da Sporting CP – Futebol, SAD. Foi-lhe dito que sim, não recebendo este membro da Comissão Executiva da Sporting SAD qualquer resposta de volta. No dia seguinte percebemos, ao ler os jornais, que a ‘contraproposta’ da Gestifute era o pedido de rescisão do contrato de Rui Patrício.

Reafirmamos o que já dissemos: se a transferência de Rui Patrício nos for proposta, hoje, nas exactas condições em que a aceitámos (18 milhões de euros pagos em 24 meses, com uma possível mais-valia futura de 15 por cento, com as variáveis e com semelhantes condições de juros ao nível da antecipação da cobrança da verba), o negócio será fechado, mas nunca cederemos a chantagens.

3 – Temos lido notícias nestes últimos dois dias em relação ao futuro do nosso treinador, Jorge Jesus, informações essas que não estão a ser tornadas públicas pelo lado da Sporting CP – Futebol, SAD. Todas as conversas sobre o futuro de Jorge Jesus no Clube estão a ser conduzidas exclusivamente pelo Presidente Bruno de Carvalho.

Numa primeira fase, as notícias sobre a possível saída de Jorge Jesus sublinhavam como negativo para a SAD, o ´facto´ de ter de pagar ao treinador cerca de 8 milhões de euros para obter a desvinculação e que o mesmo seria um acto de gestão danosa pelo montante envolvido. Agora, numa nova versão, insistem os jornais que deixar partir o treinador a custo zero, pagando-lhe apenas o salário de Junho, é, também, prejudicial para a SAD, ou porque a SAD queria uma compensação financeira e não lhe foi dada, ou porque a SAD teve de ceder a uma suposta chantagem do treinador, que accionaria uma justa causa para sair.

O mau jornalismo é mesmo isto. Os mesmos órgãos de Comunicação Social contam uma versão e o seu inverso, de forma despudorada e completamente manipuladora da opinião pública.

4 – Aproveita, ainda, o Sporting Clube de Portugal para informar o Comendador Jaime Marta Soares, nosso associado, já que o mesmo anda a informar a Comunicação Social de cada e-mail que faz, que qualquer comunicação que entenda dever fazer, sobre Assembleias Gerais ou similares, com o Clube deve ser dirigida à Dra. Elsa Judas, Presidente da Comissão Transitória da Mesa da Assembleia Geral.

O Porta-Voz do Presidente, da Comissão Executiva da SAD e do Conselho Directivo do Sporting CP

Fernando Correia


A crise que se vive no Sporting iniciou-se no dia 15 de maio, quando cerca de 40 pessoas encapuzadas invadiram a Academia do Sporting, em Alcochete, e agrediram alguns jogadores e elementos da equipa técnica.

A GNR deteve 23 dos atacantes, que ficaram em prisão preventiva depois de terem sido ouvidos no tribunal de instrução criminal do Barreiro.

Paralelamente, no âmbito de uma investigação do Ministério Público sobre alegados atos de tentativa de viciação de resultados em jogos de andebol e futebol, tendo como objetivo o favorecimento do Sporting, foram constituídos sete arguidos, incluindo o 'team manager' do clube, André Geraldes.

Na sequência destes acontecimentos, os elementos da Mesa da Assembleia Geral (MAG), a maioria dos membros do Conselho Fiscal e Disciplinar (CFD) e parte da direção apresentaram a sua demissão, defendendo que Bruno de Carvalho não tinha condições para permanecer no cargo.

De seguida, realizaram-se duas reuniões da MAG e membros do CFD com a direção, que culminaram com a decisão anunciada por Jaime Marta Soares de marcar uma Assembleia Geral para votar a destituição do órgão liderado por Bruno de Carvalho, agendada para 23 de junho, tendo ainda sido criada uma comissão de fiscalização para o CFD.

Entretanto, o Conselho Diretivo (CD) do Sporting decidiu por seu lado substituir a MAG e respetivo presidente através da criação de uma comissão transitória da MAG, que, por sua vez, convocou uma Assembleia Geral Ordinária para o dia 17 de junho, para aprovação do Orçamento da época 2018/19, aprovação de duas alterações estatutárias e análise da situação do clube e prestação de esclarecimentos aos sócios e convocar uma Assembleia Geral Eleitoral para a MAG e para o CFD para o dia 21 de julho.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.