Daniel Podence avançou esta sexta-feira para a quebra do vínculo de forma unilateral através do envio da carta de rescisão por e-mail e fax, tendo também sido enviada por correio registado. O jogador de 22 anos que estava há treze épocas no Sporting é representado pela Gestifute.

A SAD Leonina, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), diz que o jogador comunicou "a resolução do seu contrato de trabalho desportivo, com invocação de justa causa". "A referida comunicação, os seus efeitos e consequências estão a ser objecto de análise", refere ainda nota.

Já o Correio da Manhã escreve que também William de Carvalho quebrou laços com o clube. A desvinculação terá contornos em tudo idênticos às do guarda-redes e do avançado, adianta o Jornal de Notícias. Porém, à SIC Notícias diz que fonte do Sporting garantiu que jogador não rescindiu.

Esta manhã, o clube já tinha comunicado à CMVM a resolução do contrato de Rui Patrício.

O braço de ferro

A crise no Sporting continua sem fim à vista. Além da onda de rescisões, o Conselho Diretivo (CD) do Sporting revelou esta sexta-feira, em comunicado, que decidiu substituir a Mesa da Assembleia Geral (MAG) e respetivo presidente através da criação de uma comissão transitória da MAG. Segundo o mesmo comunicado, aquela comissão transitória deliberou ainda substituir o Conselho Fiscal e Disciplinar demissionário por uma comissão de fiscalização. Com estas medidas,  "não se realizará qualquer Assembleia Geral no dia 23 de junho", que visava a destituição de Bruno de Carvalho. Marta Soares, presidente da Mesa, reagiu entretanto considerando que a substituição dos membros por parte do Conselho Diretivo do clube “não tem cobertura estatutária” e por isso “é ilegal”. “É uma demonstração inequívoca de que há um assalto ao poder, do tipo golpe de estado”, afirma.

O presidente da Mesa da Assembleia Geral acrescentou ainda que não apresentou, formalmente, a demissão do cargo, mediante comunicação ao Conselho Fiscal do clube lisboeta. “Para me demitir tinha de ter apresentado um pedido, uma informação ao Conselho Fiscal a dizer me demitia, só assim é que estaria consumada a minha demissão, mas eu nunca o fiz”, esclareceu Marta Soares. O presidente da MAG ‘leonina’ lembrou que “mesmo pedindo a demissão, a mesa continua em funções até ser substituída”, pelo que o anúncio do presidente do clube, Bruno de Carvalho, de substituir a MAG e respetivo presidente por uma comissão transitória “é ilegal”.

No final da tarde desta sexta-feira, a presidente da comissão transitória da Mesa da Assembleia Geral (MAG) do Sporting convocou hoje para 21 de julho a Assembleia Geral Eleitoral para a MAG e do seu presidente e para o Conselho Fiscal e Disciplinar.

Por outro lado, a Holdimo, segundo maior acionista da SAD do Sporting, deu entrada esta semana nos tribunais com uma ação especial para destituir a administração liderada por Bruno de Carvalho, anunciou Álvaro Sobrinho, líder da empresa angolana.

Em declarações publicadas hoje em O Jornal Económico, Álvaro Sobrinho disse que a “Holdimo interpôs uma ação para destituir a Comissão Executiva da Sporting SAD, que visa travar a degradação do património e a situação insustentável de uma empresa que é cotada na bolsa”. O empresário angolano explica que o processo, que tem como fundamento uma alegada “violação de deveres, ”surge na sequência da recusa de Bruno de Carvalho em se demitir, defendendo que “Portugal é um país democrático e de direito e não uma ditadura”.

A ação visa destituir Bruno de Carvalho, Carlos Vieira, Rui Caeiro e Guilherme Pinheiro da administração da SAD do Sporting – todos exceto Nuno Correia da Silva, representante da empresa que é o segundo maior acionista da SAD.

O início da crise

A 15 de maio, antes do primeiro treino para a final da Taça de Portugal, a equipa de futebol do Sporting foi atacada na academia do clube, em Alcochete, por um grupo de cerca de 50 pessoas, que agrediram técnicos e jogadores. A GNR deteve 23 dos atacantes.

Paralelamente, a Polícia Judiciária deteve quatro pessoas na sequência de denúncias de alegada corrupção em jogos de andebol, incluindo o diretor desportivo do futebol, André Geraldes, que foi libertado sob caução e impedido de exercer funções desportivas.

O cenário agravou-se com as demissões da Mesa da Assembleia Geral (MAG), em bloco, da maioria dos membros do Conselho Fiscal e Disciplinar, instando o presidente do Sporting a seguir o seu exemplo, mas Bruno de Carvalho anunciou que se irá manter no cargo, apesar das seis demissões no Conselho Diretivo.

Desde então, Mesa (demissionária) e Conselho Diretivo têm protagonizado um braço de ferro, com o Presidente da MAG  a marcar uma assembleia-geral de destituição e o Bruno de Carvalho a  avançar com a criação de uma comissão transitória da MAG.

[Última atualização às 19h53]

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.