Os campeonatos realizados esta semana em Pyongyang reuniram delegações de dezenas de países. A competição contou com a organização da Federação Internacional de Taekwon-Do (ITF), regendo-se pelo retrato do seu fundador, o falecido general sul-coreano Choi Hong-Hi.

A ITF, que sofre uma grande influência da Coreia do Norte, é a mais antiga das federações do desporto — embora este tenha a particularidade de ter várias. No entanto, a situação atual da entidade não é das melhores, conforme reconheceu Wayne Brown, presidente da parte britânica da ITF.

A vida de Choi Hong-Hi (1918-2002) foi peculiar. Fez parte do exército que ocupou o território japonês nos anos 40, tendo sido detido quando tentou desertar. Condenado à morte, conseguiu arranjar maneira de sobreviver até o império nipónico se render.

É então que se junta ao exército sul-coreano, onde foi escalando posições até chegar a General. Foi enquanto oficial do exército que desenvolveu várias artes marciais, entre elas o Taekwondo.

Em 1966, criou a ITF antes do entrar em conflito com o ditador sul-coreano Park Chung-Hee. Nesta altura, foge novamente, levando a organização para o Canadá.

"Arte marcial da nação"

Antes de morrer em 2002, fez várias viagens Pyongyang. Desde a data do seu falecimento, que o seu corpo se encontra no Cemitério dos Mártires da Pátria da Coreia do Norte.

Em resposta a esta federação, a Coreia do Sul criou a Federação Mundial de Taekwondo (WT). E é esta que, atualmente, é única reconhecida pelo Comité Olímpico Internacional (COI). O Mundial da modalidade, realizado em junho, em Muju, na Coreia do Sul, foi organizado por esta entidade.

Já a ITF está desmembrada em três organizações que partilham o mesmo nome, com um traço na palavra "Taekwon-Do", mas que preparam Mundiais diferentes.

Choi deixou a sua organização, que atualmente tem base em Viena, nas mãos de responsáveis norte-coreanos, sendo que os atletas do país dominaram os campeonatos realizados em Pyongyang.

A segunda ITF, dirigida pelo filho Choi Jung-Hwa, surgiu depois da morte do pai fundador. A sede fica em West Drayton, próximo de Londres, e o Mundial foi realizado em Buenos Aires.

Choi Jung-Hwa tornouse célebre ao ser condenado por planear o assassinato, no início dos anos 80, no Canadá. A ideia era matar o ex-líder sul-coreano Chun Doo-Hwan, em 1982, sob as ordens de Pyongyang.

Unificar federações?

Um segundo abalo aconteceu em 2002 e deu origem à terceira ITF, estabelecida na cidade espanhola de Benidorm.

O mundo do Taekwondo também conta com a World Taekwondo Alliance (WT), com sede em Pearcy (Estados Unidos), a International Taekwon-do Association (ITA), em Grand Blanc (Estados Unidos) e a World Taekwondo Association, com sede central em Nenagh (Irlanda).

O Taekwondo praticado nos Jogos Olímpicos é diferente daquele que acontece na ITF. É que de acordo com os participantes do Mundial de Pyongyang, este último é a forma mais fiel da versão original do fundador.

"O nosso Taekwondo é puramente arte marcial, enquanto que [o praticado nos Jogos Olímpicos] é mais desportivo", garante Wayne Brown.

As tentativas de reunificar as diferentes organizações fracassaram. No contexto de tensões atuais na península "é difícil falar em unificar as federações", admitiu um porta-voz da WT em Seul.

No Mundial da WT deste ano, uma delegação da ITF realizou uma exibição e tirou fotos com o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-In. Por outro lado, a exibição prevista de uma delegação da WT em Pyongyang não aconteceu: "não houver abertura devido à questão dos mísseis entre a Coreia do Sul e a Coreia do Norte", lamentou o porta-voz da WT.

Por Sebastien BERGER

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.