Keigo Oyamada, de 52 anos, conhecido artisticamente como Cornelius, afirmou, em várias entrevistas publicadas entre 1994 e 1995 por uma revista japonesa, que tinha submetido colegas a atos degradantes, “sem qualquer arrependimento”, incluindo alguns portadores de deficiência.

A comissão organizadora de Tóquio2020 decidiu aceitar a renúncia do compositor, qualificando as suas ações de “absolutamente inaceitáveis”, e pediu desculpa por, já depois de ter conhecimento das entrevistas, ter permitido a Keigo Oyamada continuar a trabalhar para a promoção do evento.

Oyamada pediu “sinceras desculpas” após o ressurgimento das suas polémicas declarações nas redes sociais, por “ter incomodado muitas pessoas” com as suas “ações extremamente imaturas”, e os organizadores de Tóquio2020, apesar de considerarem o comportamento “impróprio”, defenderam a continuidade do compositor na organização dos Jogos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.