Em vésperas de defrontar o Benfica, este resultado adia a garantia do acesso direto à liga Europa por parte do Sporting, que continuando no terceiro lugar soma agora 60 pontos, mais três que o Sporting de Braga, quarto classificado.

Ainda assim este ponto acaba por ‘premiar’ os sadinos, que ascendem à antepenúltima posição, com 31 pontos, mais um que o Portimonense (17.º), já que apenas dependem de si para continuar na I Liga. Na próxima jornada, que encerra o campeonato, os comandados de Lito Vidigal, que somam 15 jogos consecutivos sem vencer, defrontam, no Bonfim, o Belenenses SAD, que já garantiu a manutenção.

Antes do jogo começar, tempo para comemorar o jogo 200 de Coates com a camisola do Sporting, equipa que devido à lesão de Sporar promoveu a titularidade do jovem Tiago Tomás, de 18 anos, depois de ter alinhado esta temporada 34 minutos, divididos em três jogos (Gil Vicente, Santa Clara e FC Porto).

Destaque ainda para a entrada no onze inicial de Marcos Acuña, que cumpriu um jogo de castigo, e Francisco Geraldes, que também se estreou como titular, tendo ficado de fora Jovane Cabral, condicionado, e Borja, que ficou no ‘banco’.

O Vitória de Setúbal, que usou e abusou da queima de tempo, apresentou-se com cinco defesas (5-4-1) o que dificultou a entrada dos atacantes do Sporting e ‘emperrou’ a fase de construção dos ‘leões’, que hoje alinharam com a o equipamento alternativo lançado esta segunda-feira, totalmente preto e com uma ‘arranhadela de um leão’ no ombro direito que deixa ver as cores verde e branco.

Num jogo demasiado fraco, onde apenas sobressaia a posse de bola do Sporting e a juventude da equipa, dado as presenças de Eduardo Quaresma (18 anos), Gonzalo Plata (19), Nuno Mendes (18), Wendel (22), Tiago Tomás (18 anos), Joelson Fernandes (17) e Pedro Mendes (20), estes dois na segunda parte.

A média de idades era pouco superior a 23 anos, mas isso não justifica de todo o pouco caudal ofensivo e as raras ocasiões de remates enquadrados. Aliás, foi necessário esperar 65 minutos para que isso acontecesse, quando Vietto, que entrou ao intervalo, testou os reflexos do guarda-redes Makaridze. Aos 67 foi a vez de Marcos Acuña seguir o exemplo e na recarga de Tiago Tomás ‘ganhou’ canto.

O Sporting não conseguiu encontrar espaços nas duas linhas defensivas, constituídas por nove jogadores, mas ainda assim desperdiçou algumas ocasiões cometendo faltas atacantes, que se revelaram prejudiciais para as aspirações leoninas de garantirem o acesso direto à Liga Europa antes da última jornada, onde irá defrontar o Benfica, no Estádio da Luz.

Nos minutos finais, o Vitória de Setúbal abriu-se, começou a criar jogadas de ataque e aos 90+2 assustou Luís Maximiano, mas o guardião conseguiu defender.

Os comandados de Lito Vidigal continuaram a perder tempo, com a permissão do árbitro algarvio Nuno Almeida (só deu seis minutos de compensação, dois na primeira parte e quatro na segunda) e o jogo acabaria por não sofrer alterações no marcador.

(Notícia atualizada às 22:16)

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.