Em comunicado, o regulador informa que “solicitou à Ordem dos Revisores Oficiais de Contas a nomeação de um auditor independente para fixação da contrapartida mínima a oferecer por ocasião do pedido de perda da qualidade de sociedade aberta da Luz Saúde, pela aquisição das ações pertencentes aos acionistas que não tenham estado presentes ou representados ou votado favoravelmente na assembleia onde a mesma foi deliberada”.

Segundo a CMVM, a decisão foi tomada tendo em conta que as ações da Luz Saúde “apresentam reduzida liquidez por referência ao mercado regulamentado em que se encontram admitidas à negociação e no facto do valor oferecido resultar de negociação particular, circunstâncias que tornam impossível determinar o valor justo e equitativo da contrapartida”, de acordo com os critérios definidos no Código dos Valores Mobiliários.

A 13 de abril, os acionistas da Luz Saúde, reunidos em assembleia-geral extraordinária, aprovaram a saída de bolsa da empresa, cerca de quatro anos depois de esta se ter tornado a primeira empresa privada do setor da Saúde cotada em bolsa.

A seguradora portuguesa Fidelidade, controlada pelo grupo chinês Fosun adquiriu o controlo da empresa em outubro de 2014, passando a ser o acionista maioritário da Luz Saúde.

O Grupo Luz Saúde presta os seus serviços através de 29 unidades – onde se incluem 12 hospitais privados, um hospital do SNS explorado pela Luz Saúde em regime de Parceira Público-Privada (PPP), 14 clínicas privadas a operar em regime de ambulatório e duas residências sénior – e está presente nas regiões Norte, Centro, Centro-Sul de Portugal Continental e na Madeira, segundo a informação disponível na sua página na internet.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.