A maior parte das saídas vai decorrer até ao fim do ano e afetará principalmente funcionários com funções administrativas, precisa o grupo em comunicado.

Com um total de cerca de 70 mil trabalhadores, a BP já tinha anunciado no início de abril uma redução drástica nos custos destinados ao investimento e um programa de poupanças, face à queda do preço do petróleo.

Os cortes também se inserem no objetivo do presidente executivo do grupo, Bernard Looney, de levar a companhia para o setor das energias renováveis.

Desde que começou a crise causada pela pandemia de covid-19, em março passado, os preços do crude desceram depois de uma redução da atividade devido às medidas de confinamento adotadas, situação que levou as companhias aéreas a suspenderem os voos.

Nos últimos dias, os preços melhoraram e o barril de Brent (de referência na Europa) seguia hoje a 42,86 dólares, depois de a OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) e seus aliados terem confirmado um prolongamento no corte da oferta até 31 julho.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.