Em entrevista à estação de televisão “Fox News”, Pompeo disse hoje que o governo norte-americano olha para as relações comerciais entre os dois países como uma “guerra comercial (…) que durou anos”.

“Queremos chamar a isto guerra comercial e estamos determinados a vencê-la”, disse o secretário de Estado, salientando que Donald Trump está disposto a aumentar a pressão sobre a China até considerar que atingiu o resultado desejado.

“Nós vamos ganhar, vamos conseguir um resultado que force a China a comportar-se de uma forma que, se quiser ser uma potência global, um Estado de Direito, não irá roubar propriedade intelectual. São princípios fundamentais em todo o mundo e isso é o que o povo americano exige e o que os trabalhadores americanos merecem”, sublinhou.

As autoridades chinesas cancelaram no sábado as negociações comerciais que estavam agendadas com responsáveis dos Estados Unidos, na sequência do anúncio feito pelo governo de Trump de um novo pacote de tarifas alfandegárias sobre produtos chineses no valor de 200 mil milhões de dólares, que entraram em vigor à meia-noite.

Em resposta, a China decidiu também aplicar tarifas sobre 60 mil milhões de importações norte-americanas.

Apesar dos avisos dos republicanos e democratas de que as tarifas poderiam prejudicar os consumidores e trabalhadores americanos, Donald Trump mantêm a mesma tática, justificando que é necessário garantir melhores acordos comerciais.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.