Em igual período, as importações subiram 1,3% para 1.358,4 milhões de euros, com o saldo da balança comercial negativo para Portugal em 874,5 milhões de euros, segundo informação do Instituto Nacional de Estatística (INE).

No final de setembro, Pequim era o 11.º cliente de Lisboa e o seu sétimo fornecedor.

No ano passado, havia 1.356 empresas exportadoras para o mercado chinês, mais 170 do que em 2014, altura em que Portugal era o 71.º cliente de Pequim e o seu 66.º fornecedor.

Com objetivo de fortalecer a interação entre empresas e instituições dos dois países, arranca na terça-feira, em Lisboa, o primeiro Fórum Económico Portugal-China, organizado pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Chinesa e pela Fundação AIP.

Entre os principais grupos de produtos vendidos a Pequim em 2015, os veículos e outros materiais de transporte lideravam a lista (com um peso de 41,9% das exportações daquele ano), seguido dos minerais e minérios (18,1%), máquinas e aparelhos (8,9%), pastas celulósicas e papel (7%) e alimentares (4,1%).

No ano passado, as vendas de veículos e outros materiais de transporte caíram 20,1% (para 351,8 milhões de euros), enquanto as de minerais e minérios subiram (14,3% para 152,1 milhões de euros).

As exportações de pastas celulósicas e papel para o mercado chinês aumentaram em 2015 17,4%, face a 2014, para 59 milhões de euros, e as de grupos de produtos alimentares mais do que duplicaram (161,1%) para 34,3 milhões de euros.

Do lado das importações de grupos de produtos da China, as máquinas e aparelhos tinham um peso de 34,1% no total das compras àquele mercado asiático, seguindo-se os metais comuns (11,9%), químicos (7,1%), matérias têxteis (6,4%) e o vestuário (5,7%).

Em 2015, as compras a Pequim de máquinas e aparelhos subiram 8,7% (para 607 milhões de euros), as de metais comuns aumentaram 16% (para 211,3 milhões de euros) e as de químicos avançaram 26,7% (para 126 milhões de euros).

As importações de matérias têxteis recuaram 5,1% (para 113,2 milhões de euros) e as de vestuário diminuíram 3,2% (101,8 milhões de euros).

As exportações de serviços de Lisboa para Pequim recuaram 33,2% em 2015, face ao ano anterior, para 108,5 milhões de euros, e as importações aumentaram 9,4% para 262,4 milhões de euros, o que representa um saldo comercial negativo para Portugal em 153,9 milhões de euros.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.