Numa nota da direção de recursos humanos da dona do Diário de Notícias (DN), Jornal de Notícias (JN) e TSF, entre outros, a que a Lusa teve hoje acesso, "apesar da situação do mercado se manter extremamente adversa e serem grandes as dificuldades de operação, com evidentes consequências na situação económica financeira da empresa", o grupo não vai recorrer a medidas que sucedem ao regime de 'lay-off'.

Os trabalhadores da Global Media Group estavam em 'lay-off' simplificado desde meados de abril, regime que termina na sexta-feira, dia 31 de julho.

"Analisadas as medidas aprovadas pelo Governo na passada segunda-feira relativas a regime que sucede ao do 'lay-off' simplificado, a administração concluiu que a significativa redução dos apoios do Estado inerentes a este novo regime leva a que os benefícios que a sua adoção traria para a empresa seriam essencialmente suportados pelos trabalhadores, não compensando os custos para a empresa em termos de organização e de capacidade de resposta", lê-se na nota.

Assim, a partir de agosto "todos voltarão a cumprir o regime de trabalho – presencial ou em teletrabalho - que vigorava até 19 de abril, conforme determinado pelas respetivas chefias", refere a informação.

"O termo do regime de 'lay-off' e a consequente reposição de rendimentos para os trabalhadores significa para a empresa a assunção integral da estrutura de custos, pelo que nos esperam grandes desafios", conclui a direção de recursos humanos.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.