Em declarações aos jornalistas, no Palácio da Cidadela de Cascais, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que estas duas reuniões estavam previstas para junho, mas foram adiadas devido aos incêndios que atingiram a região Centro nesse mês: "São adiamentos, com as mesmas agendas".

Interrogado sobre as agendas destas reuniões, respondeu: "São vários temas políticos e militares que estavam já na agenda anterior, no caso do Conselho Superior de Defesa Nacional. E é essencialmente a situação económica e financeira internacional e nacional, no Conselho de Estado".

O chefe de Estado salientou que não se trata de reuniões extraordinárias, mas reuniões trimestrais normais. "Eu tenho uma periodicidade na reunião dos conselhos. Eles reúnem quatro vezes por ano e duas vezes por semestre", disse.

"Estavam previstas, por razões óbvias, para junho e não para julho. Não foi possível reunir em junho, eu entendo que devem reunir-se em julho. E depois haverá a seguir ao verão e até ao fim do ano mais duas [reuniões]", acrescentou.

Desde que Marcelo Rebelo de Sousa tomou posse, em 9 de março de 2016, realizaram-se já cinco reuniões do Conselho Superior de Defesa Nacional, a primeira logo no mês em que assumiu funções, no dia 24.

Em 2016 houve outras três reuniões, em 12 de julho, em 6 de outubro - a bordo do navio-escola "Sagres", na Base Naval de Lisboa - e 6 de dezembro, no Porto. Este ano, houve uma reunião, no dia 13 de março.

O Presidente da República reuniu também já cinco vezes Conselho de Estado, o seu órgão político de consulta, em 4 de abril, 11 de julho, 29 de setembro e 20 de dezembro de 2016 e em 31 de março deste ano.

[Notícia atualizada às 16:26]

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.