Os resultados definitivos indicam que o índice seletivo Dow Jones Industrial Average baixou 0,13%, o tecnológico Nasdaq cedeu 1,09% e o alargado S&P500 perdeu 0,39%.

“Esta vai ser uma semana encurtada nos EUA com o fecho dos mercados na quinta-feira”, recordou Angelo Kourkafas, da Edward Jones, o que explica, na sua opinião, a fraca animação na praça nova-iorquina.

Para os analistas da Briefing.com, o recuo das cotações mais acentuado no final da sessão resultou da subida dos rendimentos obrigacionistas e da valorização do dólar.

Depois de fechar em 3,82% na sexta-feira, o rendimento da dívida pública dos EUA a 10 anos baixou para 3,75%, mas acabou em 3,84%.

“A disposição hoje está mais orientada para a aversão ao risco”, resumiu Kourkafas, em particular devido à ressurgência da pandemia na China.

A Comissão Nacional da Saúde chinesa divulgou hoje um novo máximo de contaminações desde o final de abril, com 24.730 casos. Em uma semana, o ritmo de contágios mais do que duplicou.

Subida dos rendimentos da obrigações e aversão pelo risco constituem geralmente uma mistura indigesta para o setor tecnológico, com perdas relevantes entre os seus principais nomes, como Apple (-2,17%), Amazon (-1,78%), Alphabet (-2,01%) e Meta (-1,95%).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.