“Após meses de reduções de custos agressivas e aumentos significativos de capital, tivemos que discutir hoje com os funcionários um assunto que sempre considerámos como um último recurso: despedimentos”, escreveu a empresa num documento citado pela AFP.

“Apesar de a procura no transporte aéreo ter aumentado ligeiramente desde abril, a nossa atividade pode vir a registar em julho uma queda de 75% em relação ao ano passado e prevemos que essa descida seja de 65% em agosto”, segundo a empresa.

A United Airlines considera que, tendo em conta o recente aumento de casos de covid-19 (nos Estados Unidos), é “cada vez mais provável que a procura de bilhetes só regresse ao normal quando houver um tratamento ou uma vacina que estejam largamente disponíveis”.

“A realidade é que a United não pode simplesmente continuar com o número atual de trabalhadores após 01 de outubro, num ambiente em que a procura é tão reduzida”, refere ainda.

Os cortes decididos pela companhia, que contava 95.200 trabalhadores em 31 de março, devem abranger todas as categorias, da manutenção nos aeroportos aos pilotos de avião.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.