“Tudo tem de ser gradual e tendo em vista todas as outras condições que [o Banco Central Europeu (BCE) definiu”, disse numa intervenção no debate “Is unconventional monetary policy the new conventional?” (Será a política monetária não convencional a nova política monetária convencional?), na 7.ª edição do ciclo de conferências Economia Viva.

O antigo responsável do BCE considera que o fim das tensões entre a Rússia e a Ucrânia contribuiria “certamente para uma diminuição significativa dos preços da energia com efeitos sobre a inflação, particularmente na Europa”.

Apesar de salientar que existe “muita incerteza, particularmente em torno dessas questões geopolíticas”, defende que em tais situações é preciso cautela.

Ainda que reconhecendo que a subida da inflação é sempre “uma preocupação”, Vítor Constâncio, sublinhou que a subida se deve principalmente aos preços da energia.

“Sem esse grande salto nos preços da energia teríamos uma inflação muito menor”, frisou.

Na sequência da reunião do Conselho de Governadores e de uma subida da inflação homóloga ‘flash’ da zona euro para 5,1% em janeiro, o BCE admitiu na passada quinta-feira endurecer a política monetária este ano com subidas das taxas de juro.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.