A jovem poeta Amanda Gorman, 22 anos, foi a surpresa e a figura mais inspiradora na cerimónia de posse, em 20 de janeiro, da presidência Joe Biden e Kamala Harris, no Capitólio de Washington. A negra Amanda, com vestido amarelo vivo e um diadema (há quem diga que parecia um donut em coroa sobre os cabelos) vermelho, emocionou a América e o mundo. Todos os que acompanhámos a posse presidencial nos EUA temos na memória aquela vibrante interpretação do poema The Hill We Climb (a colina que escalamos) que ela própria escreveu.

Amanda Gorman pontuou cada palavra com as mãos e com a energia de um sorriso de incitamento à confiança, atitude tão política como a poesia que escreveu. A mensagem no poema é poderosa, dita com extraordinária com convicção: canto à fraternidade, à união do povo e da nação americana (“um país mortificado mas inteiro”), após a funda divisão gerada na presidência Trump. Este apelo à coesão torna ainda mais absurdos os episódios seguintes.

A poesia de Amanda emocionou tanto que de toda a parte surgiram casas editoras a querer publicar a tradução da poesia desta inspiradora afro-americana.

Nos Países Baixos, quem abraçou a tarefa foi a Meulenhoff, uma grande editora de Amesterdão, com um vastíssimo catálogo de traduções de escritores aclamados. A Meulenhoff teve o cuidado de atribuir a tradução de Amanda Gorman a uma também poeta, Marieke Lucas Rijneveld, 29 anos, escritora premiada com o International Booker Prize. Marieke faz questão de se apresentar como pessoa não binária (faz sentido perguntar: e o que é que interessa para o caso que seja uma pessoa que se identifica igualmente como homem e como mulher?), particularidade que a editora Meulenhoff considerou interessante por terem, autora e tradutora, história de ativismo e convergência de combates: Amanda Gorman milita nas questões raciais e na luta contra a discriminação, Marieke Lucas (ela quer ser tratada por Lucas) luta pelo reconhecimento da identidade não sexuada.

Amanda Gorman, que faz questão de seguir todos os desenvolvimentos da publicação e tradução da poesia que cria, começou por achar boa ideia a escolha de Lucas para a tradução para neerlandês. Mas, entretanto, apareceu uma coluna de opinião num influente jornal de Amesterdão, o De Volkskrant, em que a cronista e ativista negra Janice Deul (define-se fashion/cultural activist) critica a entrega da tradução a um ser branco, “já que para captar todos os matizes do significado dos poemas [da negra Amanda Gorman] há que ser negra como ela”. O título, traduzido, deste texto de opinião é o seguinte: “Uma tradutora branca para a poesia de Amanda Gorman: incompreensível”.

A opinião de Janice Deul abriu uma polémica que inflamou tertúlias e redes sociais não apenas nos Países Baixos, e a Viking Books, editora de Amanda Gorman, detentora dos direitos de publicação do livro e uma grande casa editorial nos EUA, reabriu consultas sobre a publicação.

Perante os argumentos raciais na discussão, Marieke Lucas, que já tinha avançado parte do trabalho de tradução, incomodada, ou talvez intimidada com o ruído irracional, comunicou à editora que decidiu renunciar à tarefa e cancelar o contrato de tradução de The Hill We Climb.

Mas ainda só estávamos a meio da colina da argumentação absurda.

Dias depois, uma nova tradução contratada foi cancelada. Desta vez, para catalão. A editorial Univers, comunicou ao poeta Vitor Obiols, que três semanas antes tinha convidado, que a tarefa atribuída estava “cancelada”. Motivo invocado: “O perfil dele não é adequado”.

Victor Obiols, 60 anos, respeitado pela qualidade das traduções que fez de William Shakespeare, de Oscar Wilde e outros grandes, não se ficou sem comentar: “Se não posso traduzir uma mulher por ela ser negra, jovem, americana e do século XXI, então também não poderia ter traduzido Shakespeare, porque não sou um inglês do século XVI, e ainda menos poderia ter traduzido Homero por não ser um grego do século VI A.C.”.

Há que chamar as coisas pelos nomes: recusar que uma branca, por ser branca, traduza a poesia de uma negra, é racismo primitivo.

Esta controvérsia vem apequenar e meter dentro do fechado instinto gregário a obra de uma poeta que tanto inspirou quando se impôs naquele 20 de janeiro da posse presidencial nos EUA.

Não sabemos se todo este absurdo tem o aval dela. Que se saiba, ela não se pronunciou sobre estas exclusões. Imagina-se que Amanda Gorman, ao deixar este absurdo correr, não esteja a pretender provocar-nos com uma paródia ao politicamente correto à americana tão outra vez na crista da onda.

A tarefa de traduzir implica introduzir uma outra identidade na identidade de quem traduz. É, necessariamente, um ato criativo da parte de quem traduz. Umberto Eco falava de “negociação interior” na busca da palavra e da construção da frase no modo que parece mais ajustado ao sentido original da escrita.

A tradução é um corpo a corpo entre duas línguas diferentes. A personalidade de quem traduz deve mergulhar na cultura de quem escreve, na cultura da escrita original e na da escrita traduzida.

Está reconhecido que uma tradução nunca é definitiva e pode sempre ser questionada, alterada. Não por causa da cor da pele, da idade ou da religião de quem traduz, mas pelo facto de a tradução, generosa, ter sempre abertura à dúvida sobre a interpretação.

É ridícula qualquer pretensão de semelhança física, política ou de classe social entre quem traduz e quem é traduzido.

Para ter o direito moral de traduzir o grande Jorge Luís Borges será preciso ser cego?

A tradução de Dostoievski, Tolstoi, Tchekhov ou Puchkin só pode ser feita por um russo? A de Orhan Pamuk, por um turco de Istambul?

Para traduzir Arthur Rimbaud ou D.W. Lawrence é preciso ser gay? Para Susan Sontag ou Anais Nin há que ser lésbica?

Para traduzir D’Annunzio é preciso ser fascista? Para traduzir Céline é preciso ser antisemita? Para traduzir Cortázar ou Garcia Marquez há que ter ideologia esquerdista revolucionária?

Obviamente, o que importa é a competência, a exigência e, eventualmente, a experiência. Como em tudo.

No belíssimo poema oral The Hill We Climb Amanda Gorman exalta a democracia e a liberdade, reclama “um país comprometido com todas as culturas, cores, feitios e condições humanas” e incita a que “coloquemos de lado as diferenças, deitemos fora as armas para podermos abrir os braços para nos abraçarmos”.

É irónico que toda esta confiança seja traída pela segregação ligada à publicação do poema, com atitudes que se traduzem pela divisão e separação em vez de coesão e reconciliação.

Seja como for, gosto muito da “spokenword” e da interpretação deste poema The Hill We Climb.

Infelizmente, não há erro de tradução em toda esta história. Há erro nas atitudes, absurdas, que em nome do purismo politicamente correto geram um ostracismo moderno e levam a uma destrutiva cultura da caça às bruxas.

É tudo tão anómalo que até vem à ideia uma suspeita: será que em fundo a tudo isto está um golpe publicitário que usa a língua na pele? A ser assim, não é menos lástima.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.