Faz hoje uma semana que Google e Apple anunciaram a parceria para lançar uma solução conjunta que permita rastrear as cadeias de contágio de covid-19. Não é uma ideia original, mas por ser apresentada por quem é pode tornar-se global.

A ideia é simples e passa por tornar digital o processo que os médicos fazem pessoalmente quando alguém testa positivo. Consiste em identificar as pessoas com quem se pode ter estado em contacto de forma a monitorizar a situação de saúde e prevenir futuros contágios.

Como é que funciona? A aplicação pede aos utilizadores que registem - diariamente - como se sentem, respondendo a questões sobre os sintomas de covid-19. Todos os utilizadores que usem a aplicação têm informação partilhada, de forma anónima, o que permite, mediante o uso da tecnologia de bluetooth, que quando alguém testa positivo, as outras pessoas com que se cruzaram (dentro do universo de utilizadores da aplicação) recebam uma notificação para avaliar o estado de saúde junto de uma equipa médica.

Isto é, na prática, o que os médicos fazem presencialmente cada vez que têm um paciente infetado. Perguntam com quem esteve, onde esteve, de forma a poderem localizar as pessoas em causa e avaliar o seu estado de saúde - passo que é fundamental para controlar as cadeias de contágio.

As vantagens de fazer este processo com uma aplicação é que a escala é maior e também mais precisa, já que cada pessoa não sabe em precisão todos os contactos possíveis que teve, nomeadamente com pessoas que não conhece - mas com as quais pode ter partilhado um mesmo espaço.

Mas não são só vantagens. Colocam-se questões sobre os temas de privacidade e de gestão da informação sobre o estado de saúde de cada utilizador, mesmo que as tecnológicas garantam ética e cumprimento da lei em ambas.

Outro problema adicional é ainda a discussão sobre o que o uso que os estados, nomeadamente autocráticos, podem fazer com soluções como esta.

Já agora, Apple e Google são Apple e Google mas não são, de todo, os únicos. Tão pouco em Portugal, onde o projeto Covidografia, que resultou do movimento Tech4Covid19, arrancou em março como ferramenta para ajudar as autoridades de saúde a identificar as zonas potencialmente mais afetadas pela covid-19 e que se prepara agora, numa segunda etapa, para ter também a avalência de rastreio das cadeias de contágio. (Na próxima semana este será um dos projetos convidados da série especial do The Next Big Idea a partir de uma conversa com o Rui Costa, um dos mentores e responsáveis da iniciativa que desenvolveu todo o trabalho a partir de casa num dos concelhos mais afetados do país, Ovar).

Last, but not the least. Para que estas apps resultem em melhor controlo do contágio, é preciso que muitas pessoas as usem. Os dados de Singapura, um dos países que implementou uma solução com estas características, são que apenas 1 em cada 6 pessoas instalou a aplicação que, ainda assim, é vista como tendo sucesso no país.

Nota da redação: Este artigo foi editado a 22 de abril para corrigir a informação sobre a forma como funciona o projeto Covidografia que só em maio deverá evoluir para aplicação de rastreio.

Este artigo faz parte da newsletter semanal "Admirável Mundo Novo", que reúne uma seleção de histórias sobre inovação, estratégia e curiosidades que acontecem no mundo das grandes e das pequenas empresas. Pode subscrever aqui, o mesmo local onde pode tomar a decisão inversa a qualquer altura.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Um artigo do parceiro

The Next Big Idea é um site de inovação e empreendedorismo, com a mais completa base de dados de startups e incubadoras do país. Aqui encontra as histórias e os protagonistas que contam como estamos a mudar o presente e a inventar o que vai ser o futuro. Veja todas as histórias em www.thenextbigidea.pt