Como te chamas e o que fazias antes de seres empreendedor?

Chamo-me Pedro Pinto, julgo que sou empreendedor desde há muito, uma vez que este não é o meu primeiro projeto. Durante a faculdade criei a Accedo, uma empresa de desenvolvimento de websites e software com mais três colegas da Universidade (ISCTE).

Depois de vender a minha parte da sociedade quatro anos depois, dediquei-me em exclusivo à minha paixão, treinador olímpico de vela, e aí nasceram alguns projetos, entre os quais, recentemente a Fibersail, sem dúvida o projecto com maior potencial de todos.

Como é que a tua startup vai mudar o mundo?

A Fibersail está a tornar estruturas críticas em estruturas inteligentes, mais eficientes e seguras, fazendo com que os custos de manutenção desçam, ajudando entre outros, a descer o custo da energia gerada por fontes renováveis, como a energia eólica.  Pretendemos contribuir para a descida sustentável do custo das energias renoveis, assim como para a investigação de novas estruturas mais eficientes e seguras.

Já pagas o teu salário?

Sim, o investimento que tivemos da Caixa Capital permitiu tanto pagar o meu salário, e dedicar-me a full-time como a contratar três outros recursos, com diferentes áreas de conhecimento enriquecendo o projeto e a inovação.

Quantas horas trabalhas por dia?

Depende do conceito de trabalho, se falarmos na geração de ideias e conceitos, na solução de problemas então são praticamente todas as horas que estou acordado.

Se falarmos em trabalho físico efetivo, entre as oito e dez horas diárias.

O que deixaste de fazer para ser um empreendedor com sucesso?

Tive que deixar o de ser treinador, e deixar de passar quatro horas por dia no mar.

O que passaste a fazer para ser um empreendedor de sucesso?

Comecei a definir objetivos, traçar planos e estratégias para os atingir, e analisar os resultados para voltar a definir novos objetivos, traçar novos planos e estratégias com os conhecimentos gerados anteriormente. Trata-se de acumulação e aplicação de conhecimento em função da visão que temos para a nossa startup. O sucesso ou não, é algo que estará inerente ao resultado das estratégias aplicadas, e por isso apenas no futuro saberemos que conseguimos de facto criar inovação ou não, ou seja, se criámos valor de mercado, demonstrado através da angariação de clientes.


Ter uma startup está na moda ou o mundo está mesmo a mudar?

Eu julgo que o mundo sempre esteve e sempre estará em constante evolução, evolução essa criada através de inovação. Com o cada vez maior acesso à internet, existe mais conhecimento partilhado, e por isso cada vez mais soluções inovadoras a surgirem através da forma de startups.

As grandes empresas começam a chegar à conclusão que as startups têm uma adaptação às novas realidades muito mais rápida que as estruturas muito pesadas dessas grandes empresas e por isso, vêm buscar inovação às startups. E por isso vemos cada vez mais investimento à procura de ideias que multipliquem esse mesmo investimento. Mais investimento traz também mais oportunidades para mais startups surgirem.

As startups, no meu ver, aceleram a inovação, e por estarmos num mundo cada vez mais competitivo, que nos obriga a inovar cada vez mais, entendo que o mundo está a mudar sim, não se tratar apenas de uma moda.


Se fosses patrão de uma grande empresa, o que dizias a ti próprio para te convencer a trabalhar nessa empresa em vez de uma startup?

Grande empresa ou startup, o que me move é a inovação, é o tornar algo mais eficiente, é criar valor através de ideias novas e diferentes. Existem CEOs de grandes empresas que continuam a ser muito inovadores, por isso independente de onde esteja, terei sempre a capacidade de inovar, sendo que numa startup temos mais liberdade por um lado, um maior foco num nicho e uma maior capacidade de adaptabilidade.

Qual é o teu ídolo dos negócios ou da tecnologia?

Diria que em termos de visão, Elon Musk, sempre foi quem me inspirou.

És vegan, fazes meditação ou apenas vês televisão e passeias o cão ao fim do dia?

Nenhuma delas. Gosto de uma alimentação diversificada, fazer desporto, e partilhar experiências com amigos.

Numa só frase, o que dirias - mesmo - num elevador para convencer alguém a investir na tua empresa?

Sabia que com a minha tecnologia consigo ajudar a reduzir o custo das energias eólicas? Posso-lhe explicar como numa reunião?

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.