Pedro Ribeiro reagia à classificação publicada hoje no Jornal Oficial da UE, a qual reconhece que a Sopa da Pedra de Almeirim (no distrito de Santarém) resulta de um modo de produção, transformação ou composição que corresponde a uma prática tradicional para esse produto ou género alimentício.

“Este é o reconhecimento que nos permite uma certificação que garante que não há adulterações do que é a Sopa da Pedra de Almeirim”, disse Pedro Ribeiro à Lusa.

Segundo o autarca, o processo, que teve origem em 2017, iniciou-se porque “um pouco por todo o país ia havendo sopas a que davam nome de sopa da pedra, com outro tipo de feijão, com couve, com carnes que não são as de porco, com outros enchidos”, o que levava a que, quem as consumisse, viesse a concluir que “afinal não era grande coisa”.

“Com esta certificação temos a certeza de que se cumprem as receitas, a utilização dos produtos”, disse, salientando que a Sopa da Pedra é o segundo produto português a receber a certificação de Especialidade Tradicional Garantida.

Para o autarca, este reconhecimento “vai acabar por trazer ainda mais gente” ao concelho, o que para a economia local e para o turismo “é fundamental”.

“O futuro é esse, da certificação, garantir que o que estamos a oferecer é o produto tradicional e não, como se costuma dizer, ‘gato por lebre’. Isto é uma garantia para todos e de que, no futuro, ninguém anda aqui a fazer coisas que não são bem aquelas, eventualmente para ter mais lucro. Portanto as carnes são aquelas, os enchidos são estes, o feijão é aquele e a forma de fazer, obviamente cada um tem os seus segredos, mas garantimos que para o futuro ninguém vai inventar”, acrescentou.

Resultando de uma parceria do município com a associação dos restaurantes e o Turismo do Alentejo e Ribatejo, com o apoio da Confraria Gastronómica, o processo passou por uma primeira certificação nacional, obtida em 2020 junto do Ministério da Agricultura.

As “primeiras conversas” começaram em 2017, porque, explicou, foi preciso “criar condições”, o que passou por um entendimento no seio da associação de restaurantes, “porque cada um tinha a sua forma de fazer” e foi preciso encontrar “uma matriz comum”, a qual deu origem ao caderno de especificações.

Pedro Ribeiro sublinhou que o concelho tem mais duas certificações, lideradas pela associação de comerciantes, “que já passaram o crivo português”, a das caralhotas (pão tradicional cozido em forno a lenha) e a do melão de Almeirim.

Os dois produtos são já indicações geográficas, faltando o reconhecimento de Indicação Geográfica Protegida, certificação oficial regulamentada pela União Europeia e que é atribuída a produtos gastronómicos ou agrícolas tradicionalmente produzidos numa região.

O processo das caralhotas “está em Bruxelas”, devendo ficar concluído, “o mais tardar”, em 2023, disse, salientando que este tipo de processos, pela exigência e tempo que demoram, implicam grande resiliência.

Para Pedro Ribeiro, se a Sopa da Pedra é “claramente” o produto mais conhecido do concelho, as caralhotas são o que tem maior potencial de crescimento.

“Quem prova as nossas caralhotas, as verdadeiras, aquelas feitas no forno a lenha com todas as especificidades, adora este pão”, afirmou, acrescentando que, além de pessoas individuais, algumas padarias e panificadoras têm vindo a envolver-se, o que permitirá uma produção “mais comercial”.

Salientando que a classificação tem como “grande vantagem” o terem de ser produzidos no território, Pedro Ribeiro disse acreditar que, no caso do melão, ficarão criadas as condições para existirem mais produtores, assegurando que o valor económico fica no concelho.

“Quem quiser tem que cá vir, porque é aqui que se produz e queremos pessoas no nosso território”, declarou.

Segundo o autarca, feita a certificação, a produção é rigorosamente controlada para que se cumpram as especificações.

“Dá trabalho, mas vai ter um valor acrescentado”, disse.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.