A peça, que é apresentada às 21:30 no âmbito da digressão nacional da CNB, foi criada a convite da CNB por Tiago Rodrigues, em torno da memória do corpo da antiga primeira bailarina Barbora Hruskova.

Ao som da música original composta por Mário Laginha, a bailarina revisita a sua carreira e as marcas que essa vida na dança traçaram no seu corpo.

“Cada dor no meu corpo corresponde a um espetáculo de dança. Já danço há mais de 30 anos. Tenho uma coleção de dores. Quando ouço Prokofiev, dói-me o joelho. Quando ouço Sibelius, doem-me as costas. Mas nem tudo é dor. Gosto de ir cedo para o palco, quando ainda só lá está o afinador de pianos”, segundo um excerto do texto do espetáculo, ditado pela voz de Barbora Hruskova.

A bailarina vai desfiando memórias de espetáculos e de dores, desmistificando a ideia romântica da facilidade e leveza das interpretações das bailarinas em palco, e apresentando a outra face de um trabalho árduo e desgastante para o corpo.

“Já fiz as contas e tenho a certeza de que já passei mais horas da minha vida a dançar do que a dormir. Sonho mais quando danço do que quando durmo. Quando danço, tudo parece um sonho mas, como tenho dores, sei que é real. Dançar dói, mas dói mais quando estou parada”, diz ainda a bailarina em palco.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.