"Saudamos o acordo. Vemos com bons olhos a continuidade da Fundação Berardo no CCB", comentou o responsável sobre a decisão de renovar um acordo que terminava em dezembro deste ano, falando numa conferência de imprensa de apresentação da programação para 2017.

De acordo com o gabinete do ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, o acordo por mais seis anos, e com possibilidade de renovação, foi fechado na segunda-feira e será assinado na quarta-feira com o colecionador Berardo.

Para Elísio Summavielle, "a coleção Berardo é única, é uma enorme mais-valia, e é um serviço público", disse o presidente do CCB, onde o museu está instalado desde 2007.

"Esperamos uma profícua cooperação futura, no encontro de soluções que possam ser encontradas para ambas as entidades", acrescentou.

O Museu Coleção Berardo abriu em 2007 com um acervo inicial de 862 obras da coleção de arte do empresário, cedidas ao Estado, e avaliadas nessa altura em 316 milhões de euros pela leiloeira internacional Christie's.

De acordo com o gabinete do ministro da Cultura, depois de seis meses de negociação, não foi criado um novo acordo, mas sim uma adenda que determina ainda que o Estado mantenha o direito de opção de compra da coleção, como anteriormente.

Uma das novidades da adenda, ainda segundo a fonte do gabinete do ministro, é que anteriormente o CCB pagava as despesas da bilhética, e o Museu Berardo tinha as receitas, passando agora a assumir ambas e obrigado a garantir entradas grátis pelo menos um dia por semana.

Outra das novidades é a alteração da periodicidade da dotação do Estado para a Fundação Berardo, que gere o museu, passando a ser definida a dois anos - para despesas de funcionamento e de programação - em vez de anualmente, como estava previsto no anterior acordo.

O acordo entre as partes foi assinado em 2006 e o museu abriu em junho de 2007, tendo as aquisições sido feitas nesse ano e no seguinte, surgindo uma outra coleção, a Coleção Estado/Berardo, com um total de 214 peças de artistas portugueses e estrangeiros, que "atualmente está parada", indicou o diretor, Pedro Lapa, em outubro.

O acordo de empréstimo das obras da coleção de arte do empresário para a manutenção do Museu Berardo terminava a 31 de dezembro deste ano.

O Museu Berardo celebrou nove anos em junho passado, com mais de seis milhões de visitantes das exposições permanentes e temporárias, segundo dados do museu.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.