A exposição, aberta até 13 de dezembro, inclui seis peças apreendidas entre 2012 e 2016: quatro estátuas de mármore representando o torso de uma mulher em tamanho natural e duas placas decorativas com motivos cristãos, medindo 70 por 40 centímetros, do mesmo material.

Essas obras são protagonistas de dois processos judiciais cujo objetivo é descobrir quem é o seu legítimo dono e punir os responsáveis pelo furto, mas o museu aproveitou a reforma de 2016 do Código do Património que permite a exibição dessas peças confiscadas enquanto dura o julgamento.

As placas decorativas com motivos cristãos foram encontradas na alfândega do aeroporto parisiense Charles de Gaulle em 2016, embaladas em caixas, e os historiadores de arte que as analisaram acreditam que vêm da Síria, mas não especificaram exatamente de onde.

As pessoas que os transportaram, que fizeram a rota Líbano-Tailândia, disseram que eram "elementos decorativos de jardim".

O curador da exposição, Ludovic Laugier, disse à EFE que a origem das estátuas é conhecida: "vêm da necrópole de Cirene (norte da Líbia). Na verdade, têm uma areia avermelhada própria da região”.

Sem entrar em detalhes, para não prejudicar a investigação, adiantou que o seu estilo, na sua opinião, é uma mistura entre a cultura grega antiga e a cultura cirenaica pré-existente à ocupação helénica da região.

“Embora venham de um cemitério, parece que não representam o falecido, mas sim uma deusa relacionada com a morte. Pode ser uma representação de Perséfone, rainha do submundo do mundo grego”, arrisca o especialista.

Duas das quatro estátuas estão sem cabeça, mas Laugier atribui a decapitação a um momento anterior da história, desassociando do tráfico ilegal.

Segundo os seus números, este tráfico movimenta um volume de negócios de 10 mil milhões de euros por ano e, por vezes, serve para financiar crimes como a venda de armas.

As seis obras expostas desde 19 de maio podem ter rendido centenas de milhares de euros no mercado negro.

O roubo e a venda ilegal de arte, adiantou, também significam que se perde a rastreabilidade das peças e das informações que nos poderiam fornecer "sobre as civilizações e a nossa história comum".

É isso que o Louvre espera sensibilizar com esta exposição: “Muitas obras roubadas em países em guerra podem ser encontradas na Internet de forma acessível. Acreditamos que, se o grande público estiver ciente deste fenómeno, não se apaixonará por esse tipo de compra de negociantes duvidosos ”, conclui Laugier.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.