A investigação vem hoje publicada na revista científica PLOS ONE (online) e acrescenta uma nova dimensão ao debate sobre como começou e evoluiu a linguagem, mostrando que os babuínos possuem uma língua e uma laringe que lhes permite fazer uma série de sons de vogais.

“É a primeira vez que mostramos isso num primata não humano”, disse Joel Fagot, coautor da investigação e investigador do Centro Nacional de Pesquisa Científica de França.

E acrescentou, citado pela agência de notícias francesa AFP: “Isto sugere que a fala humana tem uma longa história evolutiva” e surgiu muito antes do homem moderno.

Muitos cientistas acreditam que é relativamente recente a origem da linguagem, entre 70 a 100 mil anos, afirma-se num documento do Centro de Pesquisa. No entanto, o estudo admite que as habilidades de articulação para a fala podem remontar a 25 milhões de anos, até ao último antepassado comum partilhado entre humanos e macacos, conhecido como Cercopithecoidae.

Alguns cientistas argumentaram que os primatas não humanos (como também o homem de Neandertal e como crianças com menos de um ano) eram incapazes de fazer sons diferenciados necessários para a linguagem por terem a laringe situada muito alta.

Para testar a teoria dos babuínos, os pesquisadores analisaram mais de 1.300 vocalizações feitas por 15 babuínos originários da Guiné-Conacri, machos e fêmeas, do centro de primatas de Rousset-sur-Arc, em França.

O estudo admite que é intrigante a capacidade dos babuínos, mas que a mesma não implica necessariamente que eles conseguem falar.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.