A manhã de segunda-feira, 30 de outubro, foi marcada pela acusação de Paul Manafort, o antigo chefe da campanha presidencial de Trump, de conspiração contra os Estados Unidos, conspiração para lavagem de dinheiro e falsas declarações.

O canal americano Fox News interrompeu várias vezes a cobertura do acontecimento com histórias que não estavam relacionadas com Paul Manafort, incluindo a recente discussão acerca dos emojis de hambúrgueres entre a Apple e a Google.

"Procurei no Google e vi que o queijo devia estar no topo do hambúrguer", referiu na emissão Steve Doocy.

A questão em causa é, precisamente, a posição do queijo nos emojis das duas companhias. No emoji da Apple o queijo encontra-se no topo do hambúrguer (em cima da carne), enquanto para a Google é colocado em baixo, o que não acontece em mais nenhum caso.

Canais americanos como a ABC, NBC e CBS acompanharam o caso de Manafort e a Fox News, apesar de fazer algumas pausas com outros temas, também manteve a cobertura, referindo ainda que o escândalo com a Rússia envolve Hillary Clinton. Donald Trump elogiou o canal no Twitter.

A Internet reagiu ao sucedido:

Manafort foi colocado sob investigação em 2014, devido à sua atuação em grupos de consultoria de Washington a favor do então partido no poder na Ucrânia. O processo foi suspenso em 2016, por falta de provas, mas acabou por ser retomado e permaneceu até ao início de 2017.

Em setembro, soube-se que Manafort esteve sob escuta, por ordem judicial secreta, antes e depois das presidenciais de 2016. As escutas telefónicas permaneceram até ao início de 2017, quando se sabia que Manafort conversava com o atual presidente. Manafort foi chefe da campanha de Trump entre junho e agosto de 2016.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.