“É o nosso protesto contra uma censura grotesca da RUM a um programa de autor e de humor, que caricaturava algumas situações da vida da cidade e do concelho”, disse à Lusa o músico Miguel Pedro.

Miguel Pedro, Adolfo Macedo (mais conhecido pelo nome Adolfo Luxúria Canibal) e António Rafael integram os Mão Morta (os dois primeiros desde a fundação e Rafael desde 1990), estando também ligados a projetos como Mundo Cão, Estilhaços, Um Zero Amarelo, entre outros.

A Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) já notificou a RUM de que se deve abster, “de imediato”, de utilizar as obras dos três músicos.

A SPA lembra que os autores das obras “têm o direito exclusivo de as dispor, fruir e utilizar, ou autorizar a sua fruição ou utilização por terceiro”.

Na origem do protesto dos músicos está o facto de a RUM ter decidido cancelar o “Junta de Boys”, um programa que estava no ar desde 2018 e se propunha analisar “de forma divertida e criativa” a realidade de Braga e também “chamar a atenção para situações duvidosas”.

“Somos amigos dos autores do programa e não podíamos ficar calados com o que está a acontecer, uma censura verdadeiramente inadmissível”, disse ainda Miguel Pedro.

Um dos autores do programa, Luís Tarroso Gomes, denunciou, na quarta-feira, na sua página de Facebook, o “episódio de censura” e manifestou surpresa por em causa estar “uma rádio de uma universidade pública”.

A Lusa contactou o administrador da RUM, Vasco Leão, que remeteu qualquer comentário para um comunicado a emitir oportunamente.

A RUM é propriedade da Associação Académica da Universidade do Minho.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.