A mostra, de portas abertas até maio de 2020, reúne mais de 70 obras existentes na biblioteca do Palácio Nacional de Mafra que o teólogo e ilusionista estudou, assim como mecanismos de ilusionismo antigos e uma rosa em suspensão protegida apenas por um vidro.

Os livros expostos estão divididos por diversas categorias, consoante a magia foi entendida ao longo dos séculos, explica o catálogo da exposição, a que a agência Lusa teve acesso.

Uma primeira secção é dedicada aos livros que contêm definições de magia, como o primeiro dicionário de português, de autoria de Rafael Bluteau e publicado entre 1712 e 1728.

As primeiras enciclopédias e dicionários explicavam a magia a partir de três conceitos, um dos quais a magia natural, que produzia efeitos extraordinários a partir dos segredos da natureza, como os de Tobias, que se diz ter curado a cegueira do pai usando entranhas de peixe.

Existia ainda a magia artificial, baseada no engenho humano que maravilhava pela exibição de fenómenos extraordinários, e a magia diabólica, originária da relação com espíritos malignos.

Alguns dos livros são verdadeiros ataques a amuletos e superstições, afirmando que não dependem da magia, mas de Deus, condenando magos, astrólogos, necromantes ou quiromantes.

Um segundo grupo de livros é dedicado à arte dos ilusionistas e mágicos, que se afirma no século XIX, mas sobre a qual se começou a escrever em 1612, descrevendo truques de magia.

Numa terceira secção, são agrupados livros que foram proibidos pela Igreja Católica, ao encetar uma verdadeira perseguição e propaganda contra aqueles rotulados de bruxas e feiticeiros, e que de forma excecional foram depositados na Real Livraria de Mafra após autorização concedida pelo papa Bento XIV em 1754, proibindo também o seu empréstimo ou desvio, sob pena de excomunhão.

Uns livros debruçam-se sobre a interpretação de sinais, que se cruza com a magia e com a astrologia na tentativa de ler o futuro, e outros sobre o entendimento de monstros, unicórnios, formações fisiologias e anatómicas irregulares do corpo humano e fenómenos raros da natureza como terramotos ou erupções vulcânicas, sendo muitas destas “aberrações da natureza” interpretadas como prodígios.

Numa outra secção, aparecem os livros sobre filosofia natural e oculta, com conhecimentos medicinais, domésticos e técnicos, enquanto noutra se encontra bibliografia com as leias da física, pondo o homem a fazer magia numa altura em que são inventadas a bússola e a lanterna mágica.

Há ainda secções dedicadas à alquimia, à arte de ocultar segredos através da esteganografia e estenografia e da criptografia.

Até maio, vão ser organizadas visitas guiadas à exposição, espetáculos de magia e conferências temáticas.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.