O livro, editado pela Tinta-da-China em maio do ano passado, “foi escolhido pelo júri pela capacidade original de definir, em poucos traços, personagens e situações que se constituem como parábolas da natureza humana, denunciando um olhar cúmplice e afetivo no espaço inesperado de um tribunal”, segundo a ata, divulgada pela Associação Portuguesa de Escritores (APE), em comunicado.

O júri foi constituído por Carlos Albino Guerreiro, Isabel Cristina Mateus e Luísa Mellid-Franco que escolheu a obra de Cardoso Martins “por unanimidade”.

Este é a 2.ª edição da Grande Prémio de Literatura–Crónica e Dispersos Literários, instituído pela APE, com o patrocínio da Câmara de Loulé, à qual concorreram, “a título excecional”, obras saídas nos anos de 2015 e 2016.

A cerimónia de entrega do prémio realiza-se no próximo dia 25 de maio, dia do concelho de Loulé, pelas 12:00, no salão nobre dos Paços do Concelho da cidade.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.