O investimento na programação é de 300.000 euros, mas este montante pode aumentar, deste montante, uma vez que podem dividir a receita de bilheteira com os parceiros coprodutores de espetáculos, sublinhou Diogo Infante, na conferência de imprensa de apresentação do espetáculo.

A lógica da programação desta temporada assenta numa “melhor gestão dos recursos, na aposta de espetáculos com carreira longa, privilegiando o teatro de texto, de narrativa e o trabalho de atores, seja de autores clássicos, seja de contemporâneos, com vista a fidelizar correntes de público”, explicou Diogo Infante.

Por isso, na sala Estúdio, as peças deverão ficar em cartaz entre cinco a seis semanas, enquanto na sala principal – que a partir de 11 de julho recebe o nome da atriz Carmen Dolores –, os espetáculos ficarão em cartaz oito a dez semanas, com possibilidade de dilatação deste prazo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.