Os agentes da justiça e de outras áreas que lidam com a problemática são o público-alvo do seminário “Violência Doméstica: O fenómeno para lá das 4 paredes", marcado para sexta-feira, na vila transmontana, com a presença da secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade, Rosa Monteiro.

O seminário está inserido nas ações que localmente estão a ser desenvolvidas para a prevenção e apoio às vítimas de violência doméstica, um trabalho que enfrenta várias dificuldades comuns ao todo nacional, segundo a autarca, uma das quais advém de instituições como os tribunais.

“Não se têm vindo a mostrar à altura das suas responsabilidades”, considerou, sustentando que “há muitas queixas de violência doméstica e só uma minoria muito pequena é que resulta em condenações”.

Berta Nunes lembrou que este crime público é uma das principais causas de morte de mulheres, em Portugal, entre os 30 e os 50 anos, e “muitas outras ficam com sequelas graves”.

Lembrou ainda que “as mulheres continuam a ser quem tem de sair de casa e nem sempre a sua proteção é assegurada”, como demonstram os casos em que já fizeram várias queixas e acabam por ser agredidas.

Na opinião da autarca, a forma como a justiça lida com a problemática “resulta dos aspetos culturais de desvalorização do sofrimento que esta situação causa nas pessoas”.

O seminário de sexta-feira tem a organização da Liga dos Amigos do Centro de Saúde de Alfândega da Fé e pretende chamar a atenção para a importância de “cada vez mais as pessoas estarem atentas” e conscientes de que “toda a gente tem responsabilidade em acabar com este flagelo”.

Ao abrigo das parcerias com o Governo e outras entidades, a Liga tem um gabinete de apoio à vítima “cada vez mais procurado, embora “muitas pessoas continuem a ter dificuldade em dirigir-se desencorajadas pela vergonha e pelo medo”, como referiu Berta Nunes.

O gabinete funciona com uma equipa de dois psicólogos e um jurista e trabalha também com Carrazeda de Ansiães, Mirandela e Torre de Moncorvo, onde a secretária de Estado inaugura um espaço idêntico na sexta-feira.

Nas dificuldades em lidar com este problema são ainda apontados outros aspetos culturais como “a ideia ainda bastante arreigada de que o homem é o chefe de família e do domino dos homens sobre as mulheres”.

“Temos de mudar a cultura, a consciência das pessoas”, defendeu a autarca.

O trabalho do município de Alfândega da Fé na promoção da igualdade de género e não discriminação foi reconhecido em 2016 e 2018 com o Prémio Viver em Igualdade.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.