“Qualquer agressão futura russa contra a Ucrânia teria um elevado preço e graves consequências políticas e económicas para a Rússia”, assinalou o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, em conferência de imprensa posterior ao primeiro dia da reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros aliados que decorre até quarta-feira em Riga, capital da Letónia.

Neste primeiro dia, os países da NATO abordaram o aumento da concentração militar russa junto à Ucrânia e debateram possíveis consequências.

Stoltenberg admitiu que a NATO não pode decretar sanções, mas sublinhou a sua vocação para “tomar decisões, consultar e coordenar esforços”.

Dessa forma, prosseguiu, “também as sanções económicas e as reações políticas estão incluídas no que debatemos hoje, também com os Estados Unidos. Representamos 50% do PIB mundial e, obviamente, é importante quando os aliados da NATO também debatem a aplicação de sanções económicas contra o comportamento da Rússia”, indicou.

Acrescentou ainda que já se verificou “resolução, vontade e capacidade” para “manter essas sanções económicas quando é necessário”.

O chefe da Aliança militar ocidental também recordou que foram adotadas medidas políticas e que a NATO suspendeu a “cooperação prática” com a Rússia, para além de ter reforçado a preparação das suas forças, a presença de tropas no flanco leste, a vigilância aérea ou a presença naval.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.