A discussão vai ser aberta pelo partido Chega, seguindo-se PSD, IL, PCP, BE, PAN, Livre e PS, num debate com cerca de três horas.

Nas últimas semanas, as diferentes posições dentro do Governo sobre a descida do IRC têm marcado a atualidade, depois de o ministro da Economia, António Costa Silva, se ter manifestado favorável a uma descida transversal da taxa do IRC, considerando que seria “benéfica”.

Após estas declarações, o ministro das Finanças, Fernando Medina, remeteu uma posição do Governo para o processo de negociações com os parceiros sociais, no âmbito do acordo de rendimentos e competitividade, salientando que “o Governo tem uma voz”.

Na quarta-feira, a Lusa teve acesso à proposta do Governo à concertação social, segundo a qual o executivo propõe aos parceiros sociais uma redução seletiva do IRC para as empresas que promovam o aumento dos salários e invistam em investigação e desenvolvimento, tal como estava previsto no programa com que o PS concorreu às legislativas.

No mesmo documento, o Governo propõe aos parceiros sociais uma valorização nominal das remunerações em 4,8% em média, em cada ano, entre 2023 e 2026, de forma a garantir nesse período um aumento médio acumulado de 20% dos salários dos trabalhadores.

Para mitigar os efeitos da inflação, o Governo apresentou no início do mês um pacote de apoios às famílias, incluindo o que estabelece para 2023 uma atualização das pensões diferente da prevista na lei em vigor e que tem merecido críticas da oposição.

Também hoje, o Conselho de Ministros vai aprovar o conjunto inicial de diplomas do processo para a decisão do novo aeroporto, incluindo uma proposta de lei para alterar o poder dos municípios sobre aeródromos de interesse nacional.

Há uma semana, Governo e PSD chegaram a acordo quanto à metodologia para avançar com a solução aeroportuária para a região de Lisboa, que passa por uma Avaliação Ambiental Estratégica (AAE), com conclusões até final de 2023.

Na terça-feira, António Costa elogiou a postura dos sociais-democratas, mas avisou que usará a maioria absoluta do PS se, no final do processo, se verificarem divergências: “É da vida”, resumiu.

Para 10 de outubro, está prevista a entrega no parlamento da proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2023, com o primeiro-ministro a remeter para esse dia a divulgação do cenário macroeconómico, cuja divulgação antecipada tem sido pedida pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.